"Se as instituições não se adaptam, correm o risco de morrer", defende em entrevista à Lusa o diretor do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CEEI), do Instituto Superior de Relações Internacionais (ISRI) de Moçambique, acrescentando que a organização lusófona "tem de fazer mais, tem de envolver mais".

Para João Gabriel de Barros, o princípio de que uma sociedade civil fraca produz governos fracos é aplicável à comunidade lusófona, "se este desinteresse e desconhecimento das pessoas continuar", em que a CPLP "não diz nada a 75% dos moçambicanos".

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.