Citando fontes da Reserva do Niassa, o diário de Moçambique refere que, durante a operação, foram ainda apreendidos 138 munições de arma "AKM", um machado e uma balança elétrica.

Na fuga, os caçadores furtivos abandonaram igualmente um pequeno painel solar, três telefones celulares, roupa diversa, quatro patas de leão e parte de uma cabeça deste animal, bem como produtos alimentares.

Os fiscais da reserva foram alertados por sons de tiros de arma durante uma patrulha ao longo do rio Mbamba e quando se deslocaram ao local encontraram um elefante macho que acabava de ser abatido.

Quando se deram conta da aproximação dos fiscais, os caçadores furtivos fugiram em debandada e deixaram no local o material de caça.

Segundo a administração da Reserva do Niassa os caçadores furtivos não foram a tempo de remover o marfim do elefante que acabava de ser morto.

Ao longo do ano em curso, 100 elefantes foram mortos por caçadores furtivos, o mesmo número do ano passado.

De 2011 a 2015, a Reserva do Niassa perdeu sete mil elefantes vítimas de caça furtiva.

PMA // PJA

Lusa/Fim

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.