A plataforma, criada em 2017 para encontrar uma saída democrática para a situação na Venezuela, reuniu-se hoje na capital brasileira e aprovou por consenso uma declaração de 23 pontos, que na sua maioria condenam o Governo "usurpador" de Maduro e exigem a realização de eleições livres, transparentes e democráticas.

No 10.º ponto, o Grupo de Lima "exorta os governos que apoiam o regime ilegítimo da Venezuela a favorecer a transição democrática" e, "particularmente, apelam a Cuba a ser parte da solução para a crise".

O encontro de Brasília foi presidido pelo chefe da diplomacia brasileira, Ernesto Araújo, e nele participaram os ministros de Relações Exteriores da Argentina, Jorge Faurie; Colômbia, Carlos Holmes Trujillo; Chile, Teodoro Ribera; Guatemala, Sandra Jovel; Honduras, Lisandro Rosales; e Peru, Gustavo Meza-Cuadra.

Em representação de Guaidó, participou o comissário para as Relações Exteriores da Venezuela, Julio Borges, enquanto a outro nível estiveram representados os governos do Canadá, Costa Rica, Guiana, Panamá e Paraguai, países que são também membros do Grupo de Lima.

EL // MP

Lusa/Fim

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.