Segundo o portal de notícias G1, apenas os governadores dos estados de Rondônia e de Roraima, ambos do Partido Social Liberal (PSL), antiga formação política de Bolsonao, não se pronunciaram sobre o assunto.

"Enquanto líderes de vários países tomam medidas necessárias para conter o avanço no novo coronavírus, aqui no Brasil, o Presidente Jair Bolsonaro vai na contramão do que defendem autoridades sanitárias e o próprio Ministério da Saúde", escreveu na rede social Twitter o governador do estado de Pernambuco, Paulo Câmara.

"[Um] discurso que, lamentavelmente, comprova que o Brasil está sem comando num dos momentos mais desafiadores da história. O sacrifício é imenso, mas todo o esforço tem o único objetivo de salvar vidas. Por isso, em PE [Pernambuco] as medidas estão mantidas. É tempo de serenidade, união e trabalho", acrescentou Paulo Câmara.

Também o Governador do Ceará, Camilo Santana, indicou que manterá o isolamento, conforme recomendado por autoridades de saúde.

"Cearenses, diante do pronunciamento do Presidente da República tenho apenas um comentário a fazer: vamos continuar a trabalhar fortemente as ações que visam evitar o avanço do coronavírus no nosso estado, como temos feito até aqui. Todas as medidas adotadas por nós são recomendadas pelos profissionais de saúde, pela própria Organização Mundial de Saúde e têm sido a melhor forma de enfrentamento ao coronavírus no mundo", afirmou Camilo Santana, citado pelo G1.

A maioria dos governadores brasileiros contrariou o apelo feito na noite de terça-feira pelo chefe de Estado brasileiro, que pediu às autoridades estaduais e municipais a reabertura de escolas e comércio, e o fim do "confinamento em massa".

"Algumas poucas autoridades estaduais e municipais devem abandonar o conceito de terra arrasada, a proibição de transportes, o encerramento do comércio e o confinamento em massa. O que se passa no mundo tem mostrado que o grupo de risco é o das pessoas acima de 60 anos. Então, por que fechar escolas?", questionou Jair Bolsonaro, sublinhando que o país deve "voltar à normalidade".

Naquela que foi a sua terceira mensagem ao país sobre o novo coronavírus, transmitida na rádio e televisão, Bolsonaro declarou que a vida "tem de continuar" e que a situação "passará em breve".

Contudo, as declarações de Bolsonaro contrariam as recomendações do seu próprio Governo.

Na sua página n internet, o Ministério da Saúde brasileiro aconselha a população a evitar aglomerações e a reduzir as deslocações para o trabalho, defendendo o "trabalho remoto" e a "antecipação de férias em instituições de ensino", especialmente em regiões com transmissão comunitária do vírus, ou seja, quando já não conseguem identificar a trajetória de infeção.

Na tarde de hoje, os governadores dos nove estados da região nordeste emitiram uma carta na qual asseguram que vão manter as medidas preventivas já tomadas com relação ao novo coronavírus.

No documento, as autoridades estaduais frisaram ainda estar "frustradas com o posicionamento agressivo da Presidência da República", acrescentando que o chefe de Estado "deveria exercer o seu papel de liderança e coligação em nome do Brasil".

O Brasil tem hoje 57 mortos e 2.433 infetados pelo novo coronavírus, sendo que, pela primeira vez desde o início da chegada da pandemia ao país sul-americano, foram registadas mortes fora dos epicentros do surto no país - São Paulo e Rio de Janeiro.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

MYMM // SR

Lusa/Fim

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.