"Por uma questão de racionalização" dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI) "à sua disposição", os 15 corpos de bombeiros decidiram "garantir apenas o socorro pré-hospitalar nas condições protocoladas" com o Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) e recusar "todo e qualquer outro transporte de utentes/doentes relacionados com a infeção covid-19".

Trata-se de uma posição conjunta relativa ao combate à covid-19 tomada na segunda-feira e enviada hoje à Lusa pelos comandantes dos Bombeiros Voluntários de Aljustrel, Almodôvar, Alvito, Beja, Barrancos, Castro Verde, Cuba, Ferreira do Alentejo, Mértola, Moura, Odemira, Ourique, Serpa, Vidigueira e Vila Nova Milfontes.

O presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Beja, Domingos Fabela, adiantou hoje à Lusa que os 15 corpos de bombeiros "ainda não recusaram nenhum transporte" de utentes suspeitos e doentes com covid-19 e "esperam que isso não venha a acontecer".

Mas para tal não acontecer, frisou, os corpos de bombeiros "aguardam respostas articuladas das entidades competentes" aos seus pedidos para poderem ter "as condições necessárias" para cumprirem a sua missão no combate à pandemia.

Os corpos de bombeiros referem que se sentem "isolados e por sua conta e risco" e tomaram a posição conjunta devido a várias situações provocadas por falta de condições e respostas, apoios e informações da parte de entidades tuteladas pelo Ministério da Saúde e da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Os comandantes referem que a ANEPC "tem vindo a anunciar a entrega de milhares de equipamentos aos bombeiros", mas, até hoje, os corpos de bombeiros do distrito de Beja só receberam equipamento que "não observa toda a composição de um EPI completo" e "garante menos de uma semana de serviços".

Além da recusa de transportes, os comandantes também decidiram declinar mobilização de meios dos corpos de bombeiros pela Linha SNS24 por não lhe reconhecerem "qualquer autoridade para o efeito, até porque tal procedimento contraria o protocolado no Sistema Integrado de Emergência Médica".

Os corpos de bombeiros também exigem ao INEM, à Administração Regional de Saúde do Alentejo, à ANEPC e aos municípios do distrito de Beja "apoio à aquisição e/ou fornecimento de EPI em quantidades suficientes" para cumprirem a sua missão e o cumprimento da orientação da Direção-Geral da Saúde (DGS) para "submeter periódica e prioritariamente" os bombeiros a testes de despistagem de covid-19.

Segundo os comandantes, o "maior problema" em todo o processo é que, "diariamente, é sonegada informação aos bombeiros", como as moradas onde há casos positivos, "numa evidente falta de articulação" entre DGS, INEM, ANEPC e os serviços municipais de proteção civil.

Os comandantes exigem "a todas as entidades o respeito e a consideração pelos bombeiros, enquanto parceiros decisivos nesta crise, não bloqueando o fluxo de informação relacionada com potenciais contágios".

Por isso, os comandantes decidiram pedir aos presidentes dos municípios e aos comandos distrital de Beja e nacional da ANEPC para exigirem às autoridades de saúde "toda a informação pertinente" ao serviço dos bombeiros e relativa às listas das moradas dos casos positivos e em isolamento.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 82 mil.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS), registaram-se 380 mortes, mais 35 do que na véspera (+10,1%), e 13.141 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 699 em relação a terça-feira (+5,6%).

No Alentejo, segundo a DGS, há 93 casos de infeção confirmados e ainda não se registou qualquer morte por covid-19.

LL // MLM

Lusa/Fim

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.