"Trabalhamos num setor que não funciona em 'take-away', teletrabalho ou 'delivery'", disse Álvaro Covões, sublinhando que o setor da cultura necessita de "uma bazuca" de apoios.

"Estamos a reunir números, porque as vendas de faturação de dezembro fecharam há dois dias, mas tudo indica que a nossa quebra em 2020 foi de 80%", frisou.

"Apesar de se pensar que o setor cultural podia trabalhar, a verdade é que, desde junho, os equipamentos culturais estão limitados a lotações de 50%", acrescentou.

"Estamos a viver uma coisa sem precedentes no nosso setor", concluiu Álvaro Covões, sublinhando que a direção da APEFE só se irá reunir hoje à noite, para discutir as propostas do Governo.

Os espetáculos começaram a ser adiados ou cancelados em março, ainda antes de decretado o encerramento das salas.

Segundo números da APEFE, só entre meados de março e final de abril, foram cancelados, suspensos ou adiados cerca de 27 mil espetáculos.

No dia 01 de junho, as salas foram autorizadas a reabrir, com lugares marcados e o cumprimento de regras de distanciamento físico, embora no final de maio ficasse proibida a realização de "festivais e espetáculos de natureza análoga", até ao passado dia 31 de dezembro.

O verão decorreu sem os festivais de música, com a Associação Portuguesa de Festivais de Música (Aporfest) a estimar uma perda de cerca de 1,6 mil milhões de euros, contra os dois mil milhões originados em 2019.

A APEFE, por seu lado, ainda antes de apurados os números do quarto trimestre de 2020, atestava que o mercado dos espetáculos registara uma quebra de 87%, entre janeiro e outubro, face a 2019, admitindo que a quebra poderia chegar aos 90%, no final do ano.

Os números concordavam com os de duas plataformas de venda de bilhetes para espetáculos, em Portugal, a Ticket Line e a Blue Ticket, que disseram à Lusa terem registado quebras superiores a 80%, nas suas operações, e uma perda de faturação entre 78% e 90%, nos meses marcados pela pandemia.

As associações e promotoras de espetáculos tinham prevista, para hoje, uma reunião com o Governo, adiada para nova data, com o objetivo de apresentarem propostas que venham a tornar viável a realização de festivais e eventos de música, em contexto de covid-19.

Hoje, o primeiro-ministro anunciou novo confinamento, e remeteu para quinta-feira o anúncio de medidas de apoio ao setor.

Em conferência de imprensa, em Lisboa, António Costa disse que, na quinta-feira, a ministra da Cultura e o ministro da Economia apresentarão "um conjunto de medidas de apoio aos setores que são particularmente atingidos".

De acordo com decisão do Governo, os equipamentos culturais terão de encerrar a partir das 00:00 de sexta-feira, em Portugal Continental, tal como aconteceu em março do ano passado.

Em 2020, a paralisação da Cultura começou na segunda semana de março, depressa se estendeu a todas as áreas e, no final de 2020, entre "plano de desconfinamento" e estados de emergência, o setor somava perdas superiores a 70% em relação a 2019.

Portugal vai "regressar ao dever de recolhimento domiciliário", a partir das 00:00 de sexta-feira, tal como em março e em abril, anunciou o primeiro-ministro, António Costa, na conferência de imprensa, alertando para este ser, simultaneamente, o momento "mais perigoso, mas também um momento de maior esperança".

Na semana passada, várias estruturas da Cultura anunciaram a marcação de um protesto nacional para dia 30, de alerta para o que consideram a falta de respostas do Governo perante "as consequências devastadoras da pandemia".

CP (SS) // MAG

Lusa/fim

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.