O encontro será dirigido pelo presidente em exercício da organização e chefe de Estado do Botsuana, Mokgweetsi Masisi, e contará com a presença dos presidentes de Moçambique, Filipe Nyusi; África do Sul, Cyril Ramaphosa; Zimbabué, Emmerson Mnangagwa; Maláui, Lazarus Chakwera, e da Tanzânia, Samia Suluhu.

A cimeira contará também com a participação da secretária-executiva da SADC, Stergomena L.Tax.

A reunião "irá deliberar sobre a situação de instabilidade no norte de Moçambique, resultante da ação de grupos terroristas e do extremismo violento, bem como as modalidades concretas de apoio regional para a sua erradicação", refere um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação moçambicano.

O encontro junta a chamada Cimeira da Dupla Troika da SADC, que integra os países das troikas do Órgão de Defesa e Segurança e da Troika da SADC, de acordo com a nota explicativa do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação de Moçambique.

A violência desencadeada há mais de três anos na província de Cabo Delgado ganhou uma nova escalada há cerca de duas semanas, quando grupos armados atacaram pela primeira vez a vila de Palma, que está a cerca de seis quilómetros dos multimilionários projetos de gás natural.

Os ataques provocaram dezenas de mortos e obrigaram à fuga de milhares de residentes de Palma, agravando uma crise humanitária que atinge cerca de 700 mil pessoas na província, desde o início do conflito, de acordo com dados das Nações Unidas.

O movimento terrorista Estado Islâmico reivindicou na segunda-feira o controlo da vila de Palma, junto à fronteira com a Tanzânia, mas as Forças de Defesa e Segurança (FDS) moçambicanas reassumiram completamente o controlo da vila, anunciou na segunda-feira o porta-voz do Teatro Operacional Norte, Chongo Vidigal, uma informação reiterada esta quarta-feira pelo Presidente moçambicano.

Vários países têm oferecido apoio militar no terreno a Maputo para combater estes insurgentes, mas, até ao momento, ainda não existiu abertura para isso, embora haja relatos e testemunhos que apontam para a existência de empresas de segurança e de mercenários na zona.

PMA // JH

Lusa/fim

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.