Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Segundo fontes médicas do porto de Al Hudaydah, cidade iemenita no Mar Vermelho, que disseram desconhecer quem lançou o projétil que atingiu a embarcação em que viajavam os somalis, dezenas de feridos foram transportados para centros médicos da cidade.

O Iémen é palco de uma guerra civil entre rebeldes huthis, apoiados pelo ex-presidente Ali Abdallah Saleh, e as forças leais ao Presidente, Abd Rabbo Mansur Hadi, que conta com o apoio de uma coligação internacional liderada pela Arábia Saudita.

A zona em que ocorreu o ataque é alvo de frequentes bombardeamentos por parte das forças da coligação árabe, já que é usada pelas forças rebeldes para o contrabando de armas.

A chegada de imigrantes ao Iémen, que depois tentam prosseguir caminho para outros países, continua apesar da guerra, que fez com que cerca de 17 milhões de iemenitas, dois terços da população do país, necessitem de assistência urgente para evitar morrer à fome nos próximos meses.