• Smells like crónica adolescente
    Smells like crónica adolescente
    Esta semana tem-se assinalado o 50º aniversário do nascimento de Kurt Cobain. Contamos com o verbo no condicional, os 50 anos que Kurt “faria”. Os fãs deixam passar o condicional, ajuntam-se a assinalar meio século, mas no fundo sabemos que a contage
  • Os Óscares no tempo de Trump
    Os Óscares no tempo de Trump
    A fantasia dos sonhos ou o combate social e político? Quem vai impor-se na noite dos Óscares? É já no próximo domingo a grande celebração do cinema em Los Angeles, e os cinco mil membros da Academia das Artes Cinematográficas de Hollywood tiveram até
  • Legalize kit
    Legalize kit
    A pergunta que mais vezes me fazem, sem contar com “fazes um filtro?”, é: “Quadros, és a favor da legalização das drogas leves?”. É uma pergunta de resposta fácil mas comecemos por uma breve nota introdutória.
  • Sete palavras entre palavrões e ciência da treta
    Sete palavras entre palavrões e ciência da treta
    Quando queremos escrever uma crónica, olhamos em volta à procura de material. Ora, cada um repara em coisas diferentes. Como trabalho todos os dias com palavras, são elas que me saltam à vista. Foi por isso que, nesta primeira crónica, peguei em sete
  • Clique Clique, Bang Bang
    Clique Clique, Bang Bang
    Duvido que se vá alguma vez tornar clássica a pergunta “Onde é que estavas a 19 de Dezembro de 2016?”, o que é pena, pois parcialmente saberia dar uma resposta. Não são assim tão claros os compromissos que tive nessa segunda-feira, mas é impossível e
  • O “abismo” numa fotografia
    O “abismo” numa fotografia
    Há polémica sobre a fotografia do ano do World Press Photo. A foto, como já é sabido, é um instante do momento dramático em que um atirador isolado, Mevlut Mert Altintas, dispara sobre o embaixador russo na Turquia, Andrei Karlov, na inauguração de u
  • Haja a esperança de um raio de luz
    Haja a esperança de um raio de luz
    Tudo indica que o partido antieuropeu e hostil à entrada de imigrantes, liderado por Geert Wilders, vai ser o mais votado nas eleições legislativas, daqui a um mês, na Holanda. Em França, Marine Le Pen vai celebrar e clamar que é a revolução nacional
  • O futuro foi ontem
    O futuro foi ontem
    Perguntam-me muitas vezes sobre o futuro da rádio. Na verdade, não sei. Como nenhum outro profissional saberá. Ou, pelo menos, poderá afirmar com absoluta certeza o que o futuro significa. Conhecemos as tendências, os indicadores, os comportamentos e
  • O "Dia da Rádio" chegou mais cedo
    O "Dia da Rádio" chegou mais cedo
    Na próxima segunda-feira, dia 13, assinala-se o Dia Mundial da Rádio, facto que ocorre pela terceira ou quarta vez - quando a UNESCO, tarde e a más horas, reconheceu a relevância do meio no universo da comunicação. No site da organização diz-se que o
  • Nem à chapada
    Nem à chapada
    O que é uma chapada? Ou mulheres agredidas? Que importa isso se a própria autoridade desvaloriza? Na Rússia, com 36 mil mulheres agredidas por dia e 26 mil crianças espancadas por ano, a violência doméstica deixou de o ser. Por lei.
  • Português desossado
    Português desossado
    O Acordo Ortográfico de 1990 é óptimo. Acreditem, é mesmo. É das coisas mais excitantes que aconteceram à Língua Portuguesa, não tenho a menor dúvida. É óptimo, de tão flagrante ser a sua inconsistência. É a semente chocha de vigorosos revoltados: no
  • A cabeça à direita de Trump
    A cabeça à direita de Trump
    Chama-se Stephen Bannon, é inteligente, astuto, obstinado, provocador, bizarro, polémico e descarado. Muito hábil a desenhar e construir estratégias e perito em manipulação. É um ultra, admirado pela direita mais estridente nos EUA. Há vários anos qu
  • Ohhhh mãaaeee...
    Ohhhh mãaaeee...
    Ainda estamos longe do igualitarismo de outros países, mas temos de reconhecer o tanto que avançámos. Ainda que os países do Norte da Europa estejam na primeira liga em termos de igualdade de género, até os países mais conservadores mostram sinais de
  • A vida de cada um
    A vida de cada um
    Estou a ver na TV, num canal de notícias, uma curta troca de argumentos sobre a eutanásia. Estremeço. Antecipo o “amplo e profundo” debate que o Presidente Marcelo desejou há dois dias: vai dar asneira. Um dos intervenientes era mesmo o bastonário da
  • Direito a viver. Direito a morrer?
    Direito a viver. Direito a morrer?
    Discute-se hoje no Parlamento a morte medicamente assistida. Eutanásia. À esquerda, acordo quanto ao direito à vida e à morte, sobretudo em relação à forma como se morre, e a dignidade que lhe deve estar implícita. À direita, o não garantido. Nos res