Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, confirmou hoje, numa declaração aos jornalistas, os seus planos para um novo referendo à independência entre o final de 2018 e o início de 2019. Sturgeon irá pedir ao Parlamento escocês para votar a favor de um segundo referendo pela independência do Reino Unido. Sturgeon declarou-se descontente face a Londres não estar a levar em conta as necessidades da Escócia no processo do Brexit.

“Na próxima semana, vou pedir ao parlamento escocês que me autorize a chegar a acordo com o governo britânico para lançar o procedimento que permitirá ao parlamento escocês legislar para um referendo sobre a independência”, disse, numa declaração na sua residência oficial em Edimburgo.

Os escoceses recusaram a independência num referendo realizado em 2014, mas Sturgeon considera que a decisão britânica de sair da União Europeia acarretou uma “alteração substancial das circunstâncias”.

Na consulta sobre o ‘Brexit’, realizada a 23 de junho, 52% dos britânicos votaram a favor, mas, na Escócia, 62% dos eleitores votaram pela permanência na UE.

Numa entrevista recente à BBC, Sturgeon disse que a organização do plebiscito é uma questão de "senso comum", já que a Escócia segue para a porta de saída da União Europeia arrastada pelo conjunto do Reino Unido, apesar dos escoceses terem votado em peso a favor da permanência no bloco europeu.

[Notícia atualizada às 12h29]