Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Em comunicado o dinamizador deste clube, Joaquim Jorge, refere que "está recetivo a receber Jaime Nogueira Pinto para falar do que entender" e avançou ter o mês de abril livre para receber um politólogo que esteve anunciado, no início desta semana, para uma conferência na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (FCSH), sessão que foi cancelada.

Em causa um evento, apresentado como conferência-debate na página de Facebook do movimento Nova Portugalidade, que estaria marcado há cerca de duas semanas para se realizar na FCSH da Universidade Nova de Lisboa, mas foi cancelado a pouco mais de 24 horas da hora marcada.

A conferência-debate intitulava-se "Populismo ou Democracia? O Brexit, Trump e Le Pen em debate" e estava marcada para a última terça-feira, 07 de março.

A Associação de Estudantes da FCSH da Universidade Nova explicou que o pedido de cancelamento da conferência surgiu na sequência de uma moção à qual a associação ficou vinculada e argumentou que o evento estava "associado a argumentos colonialistas, racistas, xenófobos".

Já a direção da FCSH da Universidade Nova de Lisboa justificou a decisão de cancelar a conferência de Jaime Nogueira Pinto invocando "ausência das condições indispensáveis de normalidade".

No mesmo dia o ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, revelou no parlamento ter ligado ao reitor da Universidade Nova de Lisboa para pedir garantias de que o cancelamento da conferência com Jaime Nogueira Pinto não coloca em causa o direito à liberdade de expressão.

O caso também gerou um pedido de esclarecimento pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que o considerou "incompreensível", e foi alvo de críticas de personalidades de vários quadrantes políticos, ao mesmo tempo que outras associações académicas se solidarizaram com os dirigentes estudantis da FCSH.

Já o Partido Nacional Renovador (PNR) convocou para o dia 21 um protesto em frente à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa "contra o totalitarismo do pensamento único e pela liberdade de expressão para todos".

No seu comunicado, Joaquim Jorge refere que "o Clube dos Pensadores sabe muito bem o que é a tentativa de boicotar debates", relatando episódios em que diz ter sido alvo dessas tentativas de "uma livre reunião", pelo que decidiu convidar Jaime Nogueira Pinto.

"A liberdade de expressão não pode impedir outros de se exprimirem e tornar-se uma agressão a outros valores. A liberdade de expressão não se impõe silenciando os outros. Procurar silenciar alguém com quem não se concorda e concomitantemente impedir um grupo de cidadãos de ouvir alguém que não gostamos ou detestamos", defende o fundador do Clube dos Pensadores.

O responsável pelo clube que reúne periodicamente numa unidade hoteleira de Vila Nova de Gaia, distrito o Porto, e que já recebeu várias personalidades como governantes a líderes partidários, candidatos presidenciais, entre outros, vinca que o espaço que dirige "permite que flua o livre intercâmbio de ideias, por muito antagónicas e irreconciliáveis que pareçam".

"O direito de exprimir e divulgar livremente o nosso pensamento pela palavra é inalienável e inegociável", conclui.