Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Um incêndio deflagrou esta terça-feira numa fábrica de reciclagem de eletrodomésticos e produtos elétricos em Santiago de Besteiros, concelho de Tondela.

De acordo com Rui Nogueira, dois elementos dos Bombeiros Voluntários do Vale de Besteiros sofreram ferimentos ligeiros, com um deles a ser assistido no local pelos meios do INEM.

Já o outro operacional "foi transportado para o Hospital de Viseu", acrescentou.

Aos jornalistas, o segundo comandante operacional distrital de Viseu revelou ainda que se encontram no terreno 116 homens, apoiados por 42 viaturas, que "à partida serão os meios suficientes".

"O incêndio industrial propagou-se à parte florestal, mas já está dominado. Relativamente ao incêndio industrial, continua ativo, apesar de termos os meios de combate em todo o seu perímetro", explicou.

No local do incêndio encontra-se também o presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, que considerou que a prioridade passava por estancar o perímetro e isso já foi conseguido.

"Mobilizámos meios e equipamentos de máquinas de rasto para intervirem no foco principal de incêndio e dissiparem a carga e combustão", apontou.

O autarca recordou o incêndio de 2015 de que foi alvo a mesma empresa, nessa altura de maiores dimensões.

"Tudo leva a crer que desta vez o foco é muito mais contido e limitado do que o que ocorreu da última vez, provavelmente já resultante de medidas preventivas que foram resolvidas", referiu.

José António Jesus disse ainda estar preocupado com a qualidade do ar, com os ventos fortes que se têm registado a deslocarem as massas envolventes com cargas poluentes.

"Temos de saber o risco dessa carga e pedi para que seja avaliada essa situação, de forma a vermos se temos de tomar outras medidas para proteção das pessoas. Queremos que sejam minimizados todos os danos resultantes deste foco de incêndio", concluiu.