Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Segundo a fonte, em causa estão suspeitas de tráfico de influências.

No domingo, o semanário francês Le Journal du Dimanche noticiou que um "amigo generoso" ofereceu dois fatos ao ex-primeiro-ministro no valor de 13 mil euros.

De acordo com o jornal, Fillon gastou na casa de moda parisiense Arnys 48.500 euros, entre 2012 e 2017, dos quais 35.500 euros foram pagos por ele, desconhecendo-se quem desembolsou o resto.

François Fillon, que tem alegado a sua inocência e se diz vítima de uma conspiração, afirmou, na segunda-feira, que os presentes não têm "nada que ver" com a política.

Os investigadores judiciais vão tentar determinar quem é o misterioso "mecenas" e analisar as suas ligações com o antigo primeiro-ministro.

Na terça-feira, o candidato presidencial conservador, que surge em terceiro lugar nas sondagens, foi acusado, entre outros crimes, de desvio de fundos públicos, no âmbito do dossiê sobre os alegados empregos fictícios, como assistentes parlamentares, da mulher e de dois filhos.

A primeira volta das eleições presidenciais em França realiza-se em 23 de abril.