Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O tribunal absolveu hoje a infanta Cristina dos crimes de delito fiscal de que era acusada em conjunto com o seu marido, Iñaki Urdangarin, no âmbito de uma investigação que remonta a 2006. A filha mais velha dos reis de Espanha é, no entanto, considerada responsável pela participação nos benefícios obtidos pelos crimes que o tribunal hoje considerou provados de autoria do seu marido e, por essa razão, obrigada a devolver os 265 mil euros que teria auferido ainda que sem saber a sua origem.

A investigação teve início em 2006 quando o jornal El Mundo denunciou um pagamento feito ao Instituto Nóos, uma fundação dedicada ao desporto e sem fins lucrativos com sede em Palma de Maiorca fundada e presidida por Inaki Urdangarinentre 2004 e 2006. Só em 2011 teria inicio a investigação oficial e a acusação foi formalizada em 2014. O casal foi acusado de fraude fiscal e de branqueamento de capital,.

O tribunal considerou hoje provado que Urdangarin e o seu sócio Diego Torres terão cobrado mais de seis milhões de euros aos governos de Valência e das Ilhas Baleares pela realização de eventos que custaram apenas um terço deste valor (cerca de dois milhões de euros). O valor remanescente - na realidade a maior fatia - foi encaixado por empresas privadas dos dois sócios, uma delas a Aizoon, detida pelos duques de Palma de Maiorca, Cristina e Urdangarin, com quotas iguais de 50% cada.

A princesa e o marido faziam parte de um grupo de 17 suspeitos que começaram a ser julgados em janeiro de 2016.  Urdangarin em concreto era acusado de ter utilizado as suas ligações à família real para ganhar concursos públicos para organizar, entre outros, eventos desportivos, tendo em seguida desviado fundos para a Aizoon, a empresa que ele geria em conjunto com a princesa Cristina e utilizava para financiar o seu estilo de vida luxuoso.

Em junho de 2016, o ministério público espanhol tinha pedido uma pena de prisão de 19 anos e meio e uma multa de 980.000 euros para Inaki Urdangarin. O procurador anticorrupção espanhol Pedro Horrach pediu uma pena de prisão de 16,5 anos para o sócio de Urdangarin, Diego Torres, que também é acusado de peculato.

Desde o início do caso, a acusação recusou a apresentação de uma queixa contra a princesa Cristina, que juntamente com o marido também se suspeita que tenha utilizado a Aizoon para realizar despesas pessoais, incluindo obras numa mansão em Barcelona, o que permitiu reduzir lucros tributáveis da empresa.

Entretanto, uma organização chamada "Mãos Limpas", levou a tribunal o caso da alegada evasão fiscal da princesa Cristina, visto que a lei espanhola permite que grupos privados possam iniciar este tipo de processos penais.

O advogado deste grupo privado chegou a pedir uma pena de prisão para a irmã do rei Filipe VI, mas esta negou ter conhecimento das atividades do marido.

A imagem da “Mãos Limpas” foi manchada logo no início do julgamento, quando o chefe da organização foi detido por tentativa de extorsão, ao pedir aos advogados da princesa Cristina dinheiro em troca de deixar cair as acusações.

Este caso de corrupção que envolve a irmã do rei tem sido seguido com grande interesse em Espanha, tendo manchado a reputação da monarquia e contribuído para a abdicação do rei Juan Carlos, em junho de 2014, a favor do filho.