Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

A explosão aconteceu num pavilhão da SAPEC Química que guarda solventes e, para já, há pelo menos um ferido confirmado, com queimaduras. O incêndio já declarado extinto, adiantou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal.

O ferido, adianta o Comando Distrital de Operações de Socorro, assistido inicialmente no local por uma equipa de emergência médica, foi, entretanto, transportado para o hospital de São Bernardo, em Setúbal, com queimaduras em 30% do corpo. Escreve a TVI que se trata de um trabalhador com 57 anos.

Escreve a Lusa que fonte hospitalar indicou que se trata de um ferido ligeiro. A mesma fonte explicou que o ferido vai ser levado para o hospital de São José, em Lisboa, para ser avaliada a possibilidade de uma cirurgia plástica.

O alerta foi dado às 11h52. No local mantêm-se 73 operacionais das forças de socorro e segurança e 28 viaturas.

Fonte dos bombeiros indicou à Lusa que, "até ao momento, não existe indicação de que haja qualquer perigo para a população", na sequência da nuvem de fumo provocada pelo incêndio de hoje, que começou a diminuir de forma significativa.

De acordo com o CDOS, os meios que já se encontram no local deverão ser suficientes não se prevendo, por isso, a necessidade de um novo reforço. A Agência Portuguesa do Ambiente também se deslocou para o local.

Escreve o Correio da Manhã, citando fonte da Proteção Civil, que o incêndio foi num depósito de isopropanol. O trânsito na Mitrena está condicionado, mas a TVI adianta que os camiões de transporte de mercadorias já estão a conseguir chegar à fábrica.

Testemunhas dizem ter ouvido uma forte explosão e era visível uma extensa nuvem de fumo.

Esta explosão acontece depois de um incêndio ter deflagrado na mesma fábrica, a 14 de fevereiro, em dois armazéns da SAPEC Agro (na foto), na Mitrena, extinto dois dias depois. O incêndio provocou uma nuvem de dióxido de enxofre que levou 32 pessoas ao Hospital de Setúbal. A nuvem levou as autoridades a aconselharem as pessoas que vivem na península de Setúbal a evitarem sair de casa e fazerem esforços ao ar livre. As escolas também estiveram encerradas. Embora mantenha a designação SAPEC, esta empresa já não pertence ao mesmo grupo económico, adianta a Lusa.