Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

“Não queremos ser uma nação de ladrões” ou “A Roménia exige que não haja perdão”, foram algumas das palavras de ordem dos manifestantes, que exibiam cartazes com as palavras “Demissão” e “Vergonha”.

Este protesto, que denuncia as emendas propostas pelo senador Serban Nicolae e dirigidas a políticos acusados de corrupção e que foram condenados, também foi organizado em outras cidades da Roménia, incluindo Timisoara, Cluj-Napoca, Sibiu e Iasi.

As ações de rua contra a corrupção na Roménia foram desencadeadas no início de fevereiro, quando o executivo social-democrata aprovou um decreto que despenalizava delitos de corrupção com perdas para o Estado inferiores a 44.000 euros.

Após numerosos protestos que juntaram centenas de milhares de pessoas, o Governo social-democrata foi forçado a retirar a lei.

No decurso do protesto de hoje, o ministro da Justiça, Tudorel Toader, anunciou que vai avaliar a prestação responsável pela procuradoria anticorrupção, Laura Codruta, e do procurador-geral, para decidir sobre a sua eventual destituição.

Previamente, o Tribunal constitucional tinha considerado que a procuradoria anticorrupção extravasou as suas funções, ao iniciar uma investigação sobre o Governo após a adoção do polémico decreto.

O combate à corrupção na Roménia já implicou a prisão de 3.000 políticos, incluindo o ex-primeiro-ministro Adrian Nastase, medidas que mereceram o elogio da Comissão Europeia ao país balcânico.