Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

"Não podemos ceder ao facilitismo de quem utiliza determinados expedientes para determinados fins", disse António Tomás Correia em conferência de imprensa.

O líder da maior associação mutualista de Portugal disse que a figura do arguido é hoje "maltratada" quando o que serve é para "proteger" a pessoa em causa e considerou que os processos judiciais em causa acabarão arquivados.

A Associação Mutualista Montepio Geral é liderada por Tomás Correia, que durante anos acumulou a liderança da Caixa Económica, da qual saiu no verão de 2015, quando o Banco de Portugal forçou a separação da gestão.

Já o banco mutualista é desde então presidido por Félix Morgado, sendo conhecido que a relação entre os dois responsáveis não tem sido fácil.

Segundo o Público, Tomás Correia é arguido num processo que visa um negócio imobiliário em Coimbra, e o semanário Expresso noticiou que é suspeito de ter recebido 1,5 milhões de euros do construtor José Guilherme, também relacionados com um negócio imobiliário.

O responsável máximo da Associação Mutualista Montepio é ainda citado num processo do Banco de Portugal por não ter introduzido atempadamente no banco Montepio controlo de movimentos financeiros que poderão ser ilícitos.