Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O serviço de transporte de passageiros alternativos foi criado por Emerson Lima, tatuador, de 40 anos, e Alvimar da Silva, motorista de 48 anos. Em vez de uma app, a dupla montou uma pequena central com sala de espera para motoristas, um telefone fixo e um smartphone com WhatsApp. Para calcular o preço das corridas - que é dado a conhecer sempre que alguém requisita um serviço - usam o Google Maps.

E o facto é que até a Uber vê com bons olhos a Ubra (União da Brasilândia), criada há menos de um mês. "Novos serviços são ótimos para consumidores e para as cidades. Competição encoraja uma melhoria constante de qualidade", disse a empresa em comunicado à BBC, autora da reportagem sobre o serviço.

E Henrique Deloste, líder comunitário da Brasilândia explica porquê: "Ninguém quer subir o morro. Nem a Uber para ganhar dinheiro”. Explica a BBC que o serviço da gigante norte-americana não é prestado em várias zonas de São Paulo, entre as quais as favelas de Paraisópolis e Heliópolis e, claro, na Brasilândia.

Enquanto a Uber cobra 1,80 reais por cada quilómetro, aos quais acresce uma taxa municipal, a Ubra, que conta para já com seis motoristas, cobra 2 reais (cerca de 60 cêntimos).

Se a Uber e os taxistas subissem o morro, eu nunca teria feito isso porque não teria mercado", conta Alvimar.

O cofundador deste novo serviço, que trabalhou para a Uber durante oito meses, diz que trouxe vários ensinamentos dessa “escola”, nomeadamente: "oferecemos um serviço de qualidade para fidelizar os passageiros. Só permitimos carros em ótimas condições e com ar condicionado. Além disso, os motoristas são todos de confiança. Só nossos amigos do bairro", conta. A ideia é manter o número de motoristas limitado, de forma a garantir a qualidade.

"Não é qualquer um que sabe andar no morro”, remata Emerson, a outra face de uma dupla que não teme a concorrência. “Os nossos motoristas usam carro [cor de] prata para não chamar a atenção e andam com o vidro abaixado. Em alguns pontos, eles são orientados a tirar o cinto de segurança, colocar o cotovelo para fora da janela e fazer cara de mau. Tudo o que a gente aprendeu na quebrada", conta.

Por outro lado, Alvimar e Emerson também não têm a intenção de estender o serviço a outras zonas. "É cada um na sua área. Eu tenho certeza que essa modalidade vai expandir. Eu posso até orientar, mas eu não vou me meter em lugares que eu não conheço”, diz Alvimar.

A Brasilândia tem 265 mil habitantes (segundo dados apurados em 2010), portanto a Ubra tem ainda espaço para crescer.

A Ubra ainda não está autorizada a transportar passageiros pelas autoridades municipais, mas o objetivo é “legalizar o serviço para trabalhar conforme a lei, pagar todos os impostos”, assegura Emerson Lima.