Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Já passava dos 90 minutos do tempo regulamentar. O Barcelona atacava e precisava de um golo para passar à próxima fase da Liga dos Campeões e consumar uma reviravolta histórica. Aos cinco minutos de tempo extra, Neymar olhou para a área e cruzou para a zona da marca de penálti onde apareceu o jovem espanhol Sergi Roberto que, na cara de Trapp, não falhou.

Era a 'La Remontada'. Os adeptos saltaram e celebraram um dos golos mais festejados de sempre. Tão celebrado que até fez a terra tremer de um modo pouco comum. Quem conta a história é o El País, que relata que o sismómetro do Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC), a 500 metro de Camp Nou, casa dos blaugrana, registou “um terramoto minúsculo” no exato momento em que os 100 mil adeptos celebraram o sexto golo dos campeões espanhóis.

“Aprendem-se com as coisas mais estúpidas”, conta o sismólogo Jordi Díaz, que revela ainda que esta é “a maior vibração deste tipo registada até agora” pelo aparelho, adquirido há cinco anos.

Na imagem é possível ver que em todos os golos há uma amplitude do sinal sísmico, considerada normal, mas a apoteose do sexto golo, que valeu a reviravolta ao Barcelona, levou o sinal a valores sem precedentes.

Este não passou, porém, de um sismo minúsculo, sendo por isso muito difícil de calcular a sua magnitude, “é uma vibração que as pessoas não notariam a uma centena de metros, porque se atenua logo”, explica o sismólogo do CSIC.