Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Em Barcelos, para intervir numa conferência organizada pelas Mulheres Social-democratas do concelho, a também vice-presidente do PSD considerou "razoáveis" os argumentos da Standard & Poor's (S&P) para manter aquela avaliação.

A S&P manteve hoje o 'rating' atribuído a Portugal em 'BB+', ou 'lixo', com perspetiva estável, justificando a avaliação com o elevado endividamento público e privado e com as fraquezas do sistema bancário português, embora admita que o crescimento económico tenha ganho força na segunda metade do ano passado.

"Eu confesso que não vejo injustiça", afirmou, recorrendo aos argumentos da S&P, os quais considerou sere "razoáveis", .

"O elevado nível de endividamento, a divida pública, que tinha reduzido em 20125 voltou a subir em 2016, o endividamento privado também continua muito elevado, o crescimento reduziu face aquilo que vinha de 2015 e há uma conjunto de medidas que representam potenciais problemas para a competitividade e criação de emprego",enumerou.

A ex-titular da pasta das Finanças do Governo de Pedro Passos Coelho, lamentou que o atual Governo não tenha conseguido dar "melhores argumentos" à S6P para que Portugal saísse "desta situação de lixo".

Maria Luís Albuquerque confessou-se por isso desapontada.

"É uma desilusão que o pais continue nesta situação e que não consiga registar, de facto, as melhorias que estávamos prestes a registar no final de 2015", concluiu.