Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

A iniciativa conta com o apoio da UNICEF e faz parte da estratégia nacional de registo da população.

O Ministério da Justiça estima que apenas um terço dos 1,6 milhões de habitantes da Guiné-Bissau esteja registado e que só um quinto dos bebés beneficie do registo ao nascer.

Um comunicado diz que o Governo guineense quer "criar as condições necessárias para a mobilização e orientação das populações em relação à importância do registo civil de nascimento".

Depois da maternidade da capital, o objetivo passa por ampliar a cobertura da rede de serviços de Registo Civil de Nascimento através das unidades de saúde nas regiões.

"Nos próximos meses, serão abertos mais serviços, nomeadamente no hospital de Cumura e no centro materno-infantil de Bissau", acrescenta o comunicado.

LFO // JMR

Lusa/fim