Toda a gente sabe que os desastres naturais são provocados por Deus sempre que vê dois homens ou duas mulheres aos beijos. Uma fonte próxima de Deus enviou-me a tabela das punições divinas:

Ato indecente Punição divina
Beijos entre dois homens Terramotos
Beijos entre duas mulheres Aquecimento global
Sodomia entre dois homens Tsunamis
69 entre duas mulheres Dilúvios
Casamentos gays Erupções vulcânicas que tapam o sol
Adoção gay Asteroides

Por isso, não é de estranhar que Donald Trump tenha retirado os Estados Unidos da América do acordo de Paris quando ainda há uma semana duas raparigas foram apanhadas aos beijos na Escola Secundária de Vagos. É uma espécie de efeito borboleta, porque todos sabemos que a borboleta com aquelas asinhas às cores é um animal bastante gay. Pode parecer rebuscado que um simples beijo, seja com ou sem língua, entre duas mulheres, possa resultar em tamanhas alterações no nosso planeta, mas não se esqueçam que Deus tem os seus desígnios que muitas vezes parecem estranhos. Deus está lá em cima, a fazer a contabilidade na sua folha de Excel de quantas crianças morreram hoje à fome e, de repente, vê duas alunas em Vagos a oscularem-se com sofreguidão. Quem nunca deixou trabalho a meio para ver um vídeo de duas mulheres aos beijos? Depois, com a fricção divina, liberta-se calor que derrete as calotas polares. Quanto mais a promiscuidade entre pessoas do mesmo sexo, maior a ereção de Deus e é por isso que o buraco do ozono fica mais alargado. É ciência simples.

Para reduzir o aquecimento global, não temos de apostar nas energias renováveis, temos é de impedir demonstrações de afeto homossexual nas escolas. Bem sei, que à primeira vista pode parecer ridículo não se incentivar, até, a homossexualidade nas escolas, sendo que iria reduzir um dos grandes problemas que é a gravidez na adolescência. No entanto, o problema do nascimento de pessoas com pais adolescentes é menor se pensarmos que as pessoas que já cá estão podem não ter um planeta confortável para viver. Iria, até, mais longe. Se ver duas pessoas do mesmo sexo aos beijos faz, e passo a citar, "impressão a algumas pessoas", razão invocada pela escola para justificar a reprimenda às duas alunas, sugiro, também, que se proíba as demonstrações de afeto público de gordos. É que também me faz impressão ver dois manatins a tirarem os restos de creme da bola de berlim das bocas um do outro. E pode também ser benéfico para a luta contra o aquecimento global porque os gordos excitados arfam muito e consomem muito oxigénio e libertam demasiado dióxido de carbono, para além de suor quente que aquece toda uma sala.

Por tudo isto, não culpemos Trump por tomar medidas que parecem ser um retrocesso civilizacional. Temos de olhar para os nossos atos em vez de culpar os outros. Por exemplo, eu não faço reciclagem em casa. Acho que isso não serve de muito e que somos uma espécie que se nem consegue andar de transportes públicos de forma civilizada, não vale a pena entrarmos em egomanias de que seremos capazes de salvar o planeta. Sugiro que todos deixemos de reciclar e, em vez disso, e para resgatar o planeta das alterações climáticas catastróficas, se siga o exemplo de Vagos: repudiar homossexuais em público. O tempo que se perde a separar o lixo pode ser investido em idas a discotecas gay gritar "Buhhh! Nojo!". Já sei no que estão a pensar: estão a pensar que tais atos indecentes foram repudiados pela direção da escola e que mesmo assim Trump tomou medidas que ameaçam o futuro do planeta. Verdade, o problema é que depois, os alunos da escola juntaram-se para lutar contra a homofobia e foram enaltecidos por toda a gente o que acabou por não só abafar a reprimenda inicial, como piorar a situação aos olhos de Deus, que viu que a juventude está perdida e vai de mal a pior. Deus é do tempo em que a juventude era toda homofóbica e agora, sem que aparecesse um capítulo novo da Bíblia, a moralidade parece alterar-se.

Portanto, para remediar as medidas divinas de Trump, tenho várias dicas eficazes que podemos todos tomar, porque exigir aos líderes que nos salvem sem que cuidemos dos nossos quintais, também não serve de nada. Se bem que cuidar do quintal e dos canteiros é um bocado gay, mas enfim, vocês perceberam:

  • Boicotar o Ricky Martin;
  • Nunca mais fazer compras nos Armazéns do Chiado;
  • De cada vez que virmos um casal homossexual de mãos dadas, devemos cuspir para o chão de forma máscula para equilibrar o Universo;
  • Em dia de parada de gay pride, devemos ir à tourada para mostrar que ainda há machos a sério;
  • Para os homens: não beber sumos Detox; para as mulheres: não montar móveis do IKEA.

Se todos fizermos a nossa parte, caminharemos em uníssono para um planeta em que não se possa fazer praia em dezembro no hemisfério norte. Se nada disto resultar, bem, estamos covfefedidos e resta-nos rezar.

Sugestões do autor:

Vão todos ao centro comercial este domingo que é para eu poder ir à praia sem apanhar trânsito.

Estudem que os exames estão aí à porta e assim ficam mais aptos para identificar textos com ironia.

Vão tirar uma selfie na Feira do Livro de Lisboa para parecerem cultos.