Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Quando eu era adolescente havia ganza mas não era preciso legalizar porque só alguns é que sabiam que havia. A única coisa chata, em relação ao processo de aquisição de haxixe, é que a malta que arranjava o material só ouvia reggae. Reggae é o tipo de música que eu gostava que tocasse no meu funeral, nomeadamente porque já estou morto e não posso ouvir e é a minha última  oportunidade de chatear os outros.

Na minha adolescência a lei, para mim, praticamente não existia. Quer dizer, existia, mas eram gordos e não corriam nem metade do mais lento do nosso grupo. Dava para enrolar uma enquanto eles se aproximavam e fugir depois. Agora, os polícias são jovens atletas altos bem preparados, aposto que não são filhos dos polícias do meu tempo. Só é possível serem filhos dos meus polícias se, enquanto eles tentavam correr atrás de nós, as mulheres estavam em casa com atletas altos.

Gostava de acrescentar que no meu tempo de jovem que saía à noite não havia limites de álcool no sangue, nem balões. Seria impossível ser mandado parar pela polícia porque jamais os reconheceríamos, e a polícia de trânsito, que estava sóbria, tinha medo dos motoristas com os copos e não andava na estrada a essa hora. Era praticamente obrigatório fazer o exame de código bêbedos, porque era assim que íamos ver os sinais.

Hoje, felizmente, poucos se atrevem a guiar embriagados. Há sempre uma gorda que guia ou uma amiga que anda a tirar Direito na Católica. Ou ambas. Muito mudou mas continua a haver permissão para consumir álcool e proibição de consumo de drogas leves mesmo quando se é maior e vacinado em Marrocos.

Em relação à legalização das drogas leves, a pergunta inicial da crónica, sou, obviamente, a favor, mas como sou uma pessoa que gosta de viver no limite, não sei se em vez de arriscar banhadas e pancada e comprar num vão de escada e suar quando passo pela polícia, vou passar a preferir ir a uma loja comprar chamon. Tenho receio que aconteça o que aconteceu,  no final do anos setenta, quando começaram a vender preservativos nas farmácias. Ficamos envergonhados porque está lá gente conhecida.

- “Vai lá tu pedir cinco doses de chamon.”
- “Não vou, a senhora que está a atender mora no prédio da minha avó. Vai tu que estás de fato de treino.”
- “Vai tu. Finges que és estafeta e que vens buscar uma encomenda para o Bloco de Esquerda.”

Sou a favor da legalização mesmo sabendo que parte da magia das drogas leves tem a ver com o ter que contornar a autoridade para obter o produto. Agora, como já é impossível, a uma pessoa normal, fugir aos impostos, resta ir comprar um charro para podermos ter a nossa quota parte de delinquência e perigo.

Há toda uma aventura por detrás da compra de dez euros de haxixe. Aos cinquenta anos tenho de andar a fazer high-five às escondidas pelas ruas do Chiado e a fugir da polícia porque quero fumar um charrito em vez de ir beber dez shots até ao coma. É o único ponto negativo da legalização, parte desta magia vai desaparecer quando a droga passar a chegar até nós com código de barras e embrulhada em papel de bombons ou transformada em queques. Deixo de ser o maluco que arrisca a liberdade para fumar ganzas e passo a ser a senhora do Ferrero Rocher.

Bem, vou ligar a meu Ambrósio. Até daqui a quinze dias.

Sugestões do autor

1 - "Delírio em Las Vedras”, documentário ficcionado de Edgar Pêra rodado em 3D sobre a edição de 2015 do “Carnaval mais português de Portugal" – sessões no Cinema NOS Alvaláxia. O título do filme é um péssimo trocadilho mas promete

2 - Quem recorda com saudade (há malucos para tudo, e eu sou um deles ) os reclames e letreiros, de diversos materiais, que vão desaparecendo das fachadas lisboetas, pode dar um salto ao Convento da Trindade para ver a exposição Cidade Gráfica até dia 18 de Março. É a oportunidade de ver néones sem lâmpadas apagadas, coisa rara nas fachadas dos nosso prédios

3 - Um livroOs Naufrágios de Camões, de Mário Cláudio, uma bela ideia (obviamente maravilhosamente bem escrita) sobre a epopeia de Camões com três narradores/personagens fascinantes, com destaque para Ruy, o escrivão de bordo da nau anual da China – aquela que viria a naufragar com Camões a bordo. Leia que não vai enjoar.