Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

"Identificámos um conjunto de espaços, não só do município mas também de outras entidades (…), que passam a estar disponíveis para serem utilizados para experimentação de protótipos de robôs que possam ser desenvolvidos e, alguns deles, podem representar soluções para a cidade, como por exemplo na área da salvação no Regimento de Sapadores Bombeiros [RSB] e na Proteção Civil", disse à agência Lusa o vice-presidente da autarquia, Duarte Cordeiro.

Em causa estão locais como o aterro sanitário de Carnide, o reservatório do Jardim do Cabeço das Rolas, a escola do RSB de Chelas, o Lispolis, o aterro de Beirolas no Parque das Nações e o Laboratório Nacional de Engenharia Civil.

O autarca socialista falava à Lusa nas instalações do Polo Tecnológico de Lisboa, onde foi apresentado o programa "Lisboa Robotics", que visa a criação de uma rede na área da robótica, abrangendo o município, empresas (algumas mais consolidadas, mas também ‘startup'), instituições de ensino e centros de investigação, associações e incubadoras, num total de 40 parceiros.

Ao mesmo tempo que se abrem "espaços à experimentação", o programa agrega "um conjunto de entidades que já trabalham a robótica em Lisboa, [para] ajudar a dar-lhes dimensão e maturidade que lhes permita atrair eventos internacionais, candidatar-se a projetos de financiamento e desenvolver programas em conjunto", assinalou Duarte Cordeiro.

Questionado sobre a futura concretização destes projetos - que envolvem equipamentos como drones e robôs submarinos e móveis -, o responsável reconheceu que, "ao nível dos serviços públicos, há uma infinidade de utilizações".

"Também temos interesse em estar próximos do desenvolvimento destas soluções e que a cidade sirva de espaço à experimentação", de forma a "perceber se se pode aproveitar essa mesma inovação para melhorar a qualidade de vida dos lisboetas", sustentou, aludindo a projetos nas áreas da mobilidade, da manutenção de espaços públicos e do ensino.

Quanto aos custos do programa, para já não existem, uma vez que são usados espaços já existentes.

"No futuro, na estruturação de funcionamento destes espaços, em programas de aceleração e na atração de eventos, poderá haver algum investimento, mas que será reprodutivo e que também ajuda a posicionar a cidade", argumentou.

O programa visa ainda a criação de um ‘think tank' (espaço de reflexão), com os parceiros e entidades externas, para "discutir os aspetos em que a robótica vai mudar a vida das cidades, desde logo naquilo que diz respeito à organização do trabalho e aos limites éticos que são necessários do ponto de vista daquilo que é a utilização dos robôs em espaço público", concluiu Duarte Cordeiro.