“Estou extremamente sensibilizado com as potencialidades que há aqui. Necessitamos trazer ao público leitor, para que estes espaços sejam melhor conhecidos”, sugeriu o Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, na visita à Quinta do Amparo, em Paredes de Coura, onde Aquilino Ribeiro criou uma das obras maiores da literatura portuguesa – “A Casa Grande de Romarigães”.

Com este roteiro para conhecer a riqueza das paisagens literárias inscritas no concelho de Paredes de Coura, onde também se inclui o Centro de Estudos Mário Cláudio, o autarca Vitor Paulo Pereira procurou sensibilizar a importância de ser criado “um roteiro literário ligado ao turismo cultural e à fruição dos espaços. Seria insensato e imprudente não mostrar estes dois espaços ligados à literatura”, sublinhou o presidente da Câmara de Paredes de Coura, defendendo que na cultura não se gasta dinheiro.

“Queremos jovens criativos do ponto de vista emocional e isso só se consegue com a arte. A cultura não é uma herança, mas uma conquista de todos os dias e como tal temos que cuidar dela”, reforçou Vitor Paulo Pereira, enquanto o Ministro da Cultura corroborava a ideia: “Temos a obrigação perante a nossa história e a nossa língua. Desejo o maior sucesso e vontade política para que possamos obter fundos disponíveis para obras como esta. A obra de Aquilino é uma celebração da vida”, sublinhou.

Neste roteiro literário por Paredes de Coura, Luís Filipe de Castro Mendes começou por celebrar os sessenta anos da primeira edição de “A Casa Grande de Romarigães”, no próprio cenário de efabulação da crónica romanceada, a Quinta do Amparo.

Na presença física do sítio, que se revê nas evocações do texto e na memória dos feitos que ali terão ocorrido, foi apresentado o projeto de recuperação deste legado arquitetónico de cariz barroco que se encontra a ser desenvolvido pelos bisnetos Ricardo Pedroso de Lima e Maria Pedroso de Lima, e que consideramos condição indispensável para dinamizar uma estratégia de desenvolvimento local.

Apesar da atmosfera da Quinta do Amparo e da sua dimensão literária continuarem bem vivas para aqueles que visitem o local, haverá certamente uma oportunidade de o reinventar no quadro de uma estratégia territorial mais consistente e integrada para o concelho de Paredes de Coura, o que representaria, em última análise, uma homenagem a Aquilino Ribeiro e um importante contributo para a preservação do seu extraordinário legado literário.

Foi também associado a este percurso literário a visita ao Centro de Estudos Mário Cláudio, no Lugar de Venade, tendo como cicerone o escritor que lhe confere o nome, que também não esconde o propósito de criar no local um centro de pesquisa e em rede que abranja os escritores do Norte de Portugal e Galiza.

Um artigo do parceiro

Jornal digital generalista da região do Minho. Fundado em 2015, é líder na Internet, em leitores e seguidores nas redes sociais, numa região com mais de um milhão de habitantes, distribuídos por dois distritos, num total de 24 concelhos, e onde se destacam Braga, Viana do Castelo, Guimarães, Vila Nova de Famalicão, Barcelos, Ponte de Lima, Fafe e Vila Verde.