Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

“O terminal Orly-Oeste está aberto de novo e o tráfego vai ser retomado progressivamente”, confirmou o presidente dos Aeroportos de Paris (ADP), Augustin de Romanet.

Um homem foi este sábado abatido no aeroporto de Orly, em Paris, pelas forças da ordem, depois de ter roubado uma arma a um militar do dispositivo de vigilância antiterrorista "Sentilena", anunciou o Ministério do Interior francês, Bruno Le Loux,.

Em declarações à imprensa no aeroporto, Le Roux confirmou que o mesmo homem abriu fogo uma hora e meia antes do incidente no aeroporto, numa operação policial em Stains, a norte da capital, onde feriu uma agente.

O condutor do veículo disparou sob três agentes numa operação stop quando ia apresentar os documentos do carro, ficando um deles ligeiramente ferido.

Segundo o canal BFM TV, o homem abandonou o veículo, um Renault Clio que havia previamente roubado, no departamento de Val de Marne, e ali roubou um outro carro, um Citroen Picasso, que posteriormente foi localizado no parque de Orly.

De acordo com o Le Figaro, o pai e o irmão do atacante foram detidos pelas autoridades para interrogatório. Um procedimento normal nestas situações refere o jornal francês.

A França continua em estado de alerta depois dos atentados de Paris e Nice. Os principais aeroportos do país contam com a presença de militares de forma a prevenir ataques. O aeroporto internacional de Orly é o segundo maior da capital do país.