Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

De acordo com o boletim epidemiológico, as notificações de Dengue reduziram-se 89,8%; as de Chikungunya, 76,3% e as do vírus Zika, 97,6%, relativamente a 2016.

O boletim epidemiológico destacou que também houve uma queda expressiva no número de óbitos por Dengue, que passaram de 221, no primeiro trimestre de 2016, para cinco no mesmo período deste ano.

Em 2017 foram registados 10.294 casos de febre Chikungunya, o que representa uma taxa de incidência de 5,0 casos por cada 100 mil habitantes.

Na comparação com o mesmo período de 2016, quando foram registados 43.567 casos, houve uma redução de 73,6% das infeções.

No que se refere ao vírus Zika, uma doença que chamou a atenção do Brasil e do mundo ao ser associada aos casos de microcefalia em bebês recém-nascidos, o Ministério da Saúde anunciou que foram registados 1.653 casos no primeiro trimestre deste ano.

“A redução do número de infeções por Zika foi de 97,6% em relação a 2016, que registou 30.683 casos no mesmo período. A análise da taxa de casos prováveis mostra uma baixa incidência em todas as regiões geográficas até o momento”, lê-se no comunicado do Ministério da Saúde.

Em relação às gestantes, foram registados 286 casos prováveis de Zika, sendo 30 confirmados por critério clínico-epidemiológico ou laboratorial. Até agora não há registo de óbitos em 2017.