Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Depois de ter dito no plenário do Parlamento Europeu - que discutia as diferenças salariais entre géneros - que as mulheres devem ganhar menos do que os homens porque são “mais fracas, mais pequenas e menos inteligentes”, o eurodeputado polaco Janusz Korwin-Mikke foi alvo de sanções, tal como exigido na sequência das polémicas declarações.

Antonio Tajani, Presidente do Parlamento Europeu, abriu investigações acerca dos episódios discriminatórios em questão e anunciou hoje as sanções de que o eurodeputado será alvo.

“Não tolerarei um comportamento destes, em particular vindo de alguém que é suposto desempenhar com a devida dignidade as suas funções enquanto representante dos povos da Europa. Ao ofender todas as mulheres, o deputado mostrou desprezo pelos nossos valores mais fundamentais”, afirmou hoje o presidente do Parlamento, Antonio Tajani, que considerou a punição “proporcional à gravidade da ofensa”.

As sanções atribuídas consistem na perda das ajudas de custo diárias por 30 dias, na suspensão de todas as atividades do Parlamento Europeu por 10 dias, ficando ainda o eurodeputado proibido de representar o Parlamento durante um ano.

Tajani, na sessão plenária em Estrasburgo, pediu ainda desculpa a todos os que se sentiram ofendidos pelas palavras discriminatórias de Janusz Korwin-Mikke.

As sanções foram agravadas pela situação em causa, uma vez que as declarações foram proferidas numa sessão que contava com a presença da comissária europeia para a Igualdade de Género, Vera Jourová, ofendendo todas as mulheres.