Um carro abalroou hoje um grupo de pessoas em Charlottesville, Estados Unidos, onde foram registados violentos confrontos durante uma marcha supremacista branca, provocando pelo menos um morto e vários feridos, informou o presidente da câmara daquela cidade norte-americana.

“Estou devastado porque uma vida foi perdida aqui. Peço a todas as pessoas de boa vontade que se dirijam para casa”, escreveu Mike Signer, numa mensagem na rede social de mensagens ‘online’ Twitter.

Segundo o autarca, os vários feridos têm diversos graus de gravidade.

Um vídeo amador divulgado nas redes sociais, relatado pela agência noticiosa francesa France Presse (AFP), mostra um carro de cor escura que bate de forma violenta na parte traseira de um outro veículo e que faz depois uma manobra em sentido inverso, contra as pessoas.

Centenas de pessoas envolveram-se hoje em confrontos violentos na sequência de um protesto nacionalista organizado no centro da cidade de Charlottesville, com apoiantes da manifestação e pessoas que estão contra o protesto a gritarem, trocarem murros, lançarem garrafas de água e ‘sprays’ químicos uns contra os outros.

Este incidente ocorreu cerca de duas horas após os confrontos violentos que envolveram hoje apoiantes de um protesto nacionalista, organizado no centro daquela cidade do Estado da Virginia, e pessoas que contestavam essa mesma manifestação.

De acordo com a Reuters, há três mortos resultantes do incidente. O condutor do carro está sob custódia, segundo as autoridades.

Um repórter da agência noticiosa americana Associated Press relatou que viu pelo menos uma pessoa deitada no chão a receber assistência médica imediatamente após o incidente, que ocorreu cerca de duas horas após os confrontos violentos que envolveram hoje apoiantes de um protesto nacionalista, organizado no centro daquela cidade do Estado da Virginia, e pessoas que contestavam essa mesma manifestação.

A marcha, caracterizada por confrontos, foi convocada para protestar contra a decisão de remover do parque da cidade a estátua do general Robert E. Lee, que comandou o exército de Virgínia do Norte durante a guerra civil americana e foi um opositor do direito de voto dos antigos escravos.

O governador da Virginia declarou o estado de emergência em resposta a este protesto e, através da sua conta na rede social Twitter, disse que tomou tal decisão para "ajudar o Estado a responder à violência" na marcha de Charlottesville, a cerca de 160 quilómetros de Washington.

Trump condena "tudo o que representa ódio" após confrontos em protesto nacionalista de Charlottesville

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, condenou hoje "tudo o que representa o ódio" e apelou à unidade, depois dos confrontos violentos na marcha supremacista branca em Charlottesville, no Estado da Virginia.

“Devemos estar todos unidos e condenar tudo o que representa o ódio”, afirmou Trump através da sua conta na rede social Twitter.

O Presidente norte-americano, que está de férias de verão no seu clube de golf de Bedminster, em Nova Jérsia, disse ainda que “não há lugar para este tipo de violência nos Estados Unidos”.

O ‘blogger’ de direita Jason Kessler planeou aquilo a que chamou “marcha pró-branca” para contestar a decisão de Charlottesville de remover a estátua do general Robert E. Lee de um parque no centro da cidade, esperando-se centenas de pessoas naquela área.

O governador da Virginia declarou o estado de emergência em resposta a este protesto e, através da sua conta no Twitter, disse que tomou esta decisão para “ajudar o Estado a responder à violência” na marcha de Charlottesville, a cerca de 160 quilómetros de Washington.

Já na sexta-feira à noite tinha havido confrontos quando centenas de brancos nacionalistas marcharam no ‘campus’ da Universidade da Virginia com tochas.

[Notícia atualizada às 00h10]