Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O desequilíbrio verifica-se na componente de trabalho individual (preparação de aulas, testes e fichas, entre outras tarefas), para a qual a lei prevê 10:30 horas, mas os professores afirmam gastar 23:06.

O resultado do inquérito, hoje apresentado em conferência de imprensa, em Lisboa, decorreu nos meses de dezembro e janeiro junto de professores dos 2.º e 3.º ciclos e do ensino secundário, tendo sido validadas 5.709 respostas, o que corresponde a cerca de 10% dos professores, em termos nacionais.

De acordo com a Fenprof, o problema é reconhecido, mas “não tem merecido solução”.

Os professores reclamam uma clarificação do que é componente letiva e não letiva, acompanhada de redução do número de alunos por turma e do número de turmas por professor.

“Os professores trabalham, em média, por dia, nove a 10 horas”, afirmou o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores, Mário Nogueira.

A organização lança hoje uma campanha, com a distribuição de cartazes nas escolas em que constam estas e outras reivindicações mais específicas relacionadas com as carreiras dos docentes e que pretendem ver contempladas no despacho de organização do próximo ano letivo, que o governo está a preparar.

“Os professores não podem continuar a sacrificar as suas vidas pessoais e familiares, suportando cargas horárias de trabalho extremas”, disse Mário Nogueira.

Os resultados deste inquérito mostram que os professores trabalham, por semana, 46 horas e 42 minutos.