Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

“O Governo da República não foi formalmente consultado sobre a matéria”, referiu Pedro Marques, em Guimarães, sublinhando que a questão está a ser liderada e conduzida, “e muito bem”, pela ANA – Aeroportos de Portugal.

A 21 de Junho de 2016, o Governo Regional decidiu atribuir o nome de Cristiano Ronaldo ao aeroporto da Madeira, arquipélago de onde o futebolista é natural.

A cerimónia de atribuição do nome está marcada para 29 de março, no dia a seguir ao encontro particular de futebol entre as seleções de Portugal e Suécia, que será disputado no Funchal.

A 8 de março, o jornal Público e o matutino madeirense Diário de Notícias referiram que o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas “levantou dúvidas sobre a legitimidade do Governo madeirense para atribuir o nome” de Cristiano Ronaldo ao aeroporto da ilha, adiantando que o ministro Pedro Marques teria “pedido mesmo um parecer à ANA” sobre este assunto.

Hoje, Pedro Marques garantiu que não foi pedido nenhum parecer.

“Não pedimos qualquer parecer à ANA, a ANA tem os seus documentos, tem a sua análise, tem a sua gestão do dossiê e fez a gestão, e bem, do meu ponto de vista, do dossiê”, afirmou o governante.

Disse ainda que “qualquer interacção” do Governo com a ANA ou com o Governo Regional não é feita “através da comunicação social”.

O presidente do Governo madeirense já considerara, entretanto, uma “falta de educação” e uma “deselegância” colocar em causa a competência da região para alterar o nome do aeroporto da ilha para homenagear o futebolista Cristiano Ronaldo.

Miguel Albuquerque sublinhou que “o aeroporto é propriedade da Região Autónoma da Madeira” e que toda esta questão “não tem nem pés nem cabeça”.