Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

“Numa altura em que o conflito entra no sétimo ano, este é o pior desastre provocado pelo homem que o mundo vê desde a II Guerra Mundial”, disse Zeid Ra’ad Al Hussein.

Mais de 320.000 pessoas foram mortas e milhões forçadas a fugir das suas casas desde que o conflito começou, em março de 2011, quando protestos contra o Presidente Bashar al-Assad se transformaram numa guerra após a repressão governamental.

Numa declaração ao conselho de Direitos Humanos da ONU, Zeid disse que o seu gabinete foi impedido de aceder ao país e que nenhum observador internacional de direitos humanos foi admitido em lugares onde “muito provavelmente dezenas de milhares de pessoas estão retidas. São lugares de torturas”.

“Com efeito, todo o conflito, este imenso maremoto de derramamento de sangue e atrocidade, começou com tortura” disse, citando como exemplo a tortura de um grupo de crianças por forças de segurança devido a um graffiti há seis anos.

“Hoje, num sentido, todo o país se tornou uma câmara de tortura, um lugar de horror selvagem e injustiça absoluta”, afirmou.

As Nações Unidas e outras organizações têm repetidamente acusado as autoridades sírias de tortura generalizada.