Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Em imagens transmitidas nos ‘media’ holandeses, dezenas de polícias impediram a ministra Fatma Betül Sayan Kaya de se dirigir à rua de Roterdão onde está situado o consulado do seu país, após o presidente da câmara da cidade, Ahmed Aboutaleb, ter ordenado o bloqueio total a essa zona.

Em declarações à televisão privada turca, Haber Canli, a ministra turca referiu-se a uma “situação verdadeiramente incrível”.

“Planeámos uma viagem pela Holanda e Alemanha. Não temos nenhuma intenção de nos envolvermos em assuntos internos de nenhum país. Isto é uma atitude antidemocrática”, considerou.

E prosseguiu: “Estamos a 30 metros do consulado. Proibiram-nos de entrar. Os cidadãos darão a resposta necessária em 16 de abril [numa alusão ao referendo previsto na Turquia e destinado a reforçar os poderes presidenciais]. Quero que os nossos cidadãos na Europa digam ‘sim’ com força”, acrescentou a ministra.

Pouco antes, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, tinha assegurado que os ministros turcos “não estão proibidos de entrar” no país, mas estão impedidos de “participar em atividades políticas” na Holanda.

“Parece ter a intenção de pronunciar um discurso político [na Holanda]. Não pode fazê-lo. Estamos a trabalhar para resolver este assunto”, adiantou Mark Rutte, numa referência à ministra turca.

Sayan Kaya, 36 anos, pretendia garantir apoios ao referendo constitucional turco de 16 de abril, que decidirá o reforço dos poderes executivos do Presidente islamita-conservador Recep Tayyip Erdogan.

Em simultâneo, e em diversos pontos de Roterdão, decorriam manifestações com centenas de pessoas, a favor ou contra a presença de políticos turcos em atos de campanha neste país da Europa central, em reta final para as eleições legislativas da próxima quarta-feira.

O Governo holandês justificou ainda a decisão de “retirar os direitos de aterragem” do aparelho que deveria conduzir o chefe da diplomacia turca, Melvut Cavusoglu ao país, para participar hoje num comício nesta mesma cidade holandesa. Sayan Kaya entrou depois na Holanda por estrada, proveniente da Alemanha.

O chefe da diplomacia turca dirigiu-se entretanto para Metz (nordeste de França), onde o seu avião já aterrou, para participar domingo num comício convocado para esta cidade, convocado pela União dos Democratas Turcos Europeus (UETD), seção Lorraine. Até ao momento, as autoridades locais não emitiram qualquer proibição do evento.

Para além das tensões com a Holanda, a Turquia protagonizou na semana passada um incidente semelhante na Alemanha, após diversas autoridades locais terem cancelado as intervenções de ministros turcos, no âmbito da campanha para o referendo constitucional.

A Alemanha acolhe a mais importante comunidade turca na Europa, cerca de 3,5 milhões de pessoas, com cerca de metade com direito a voto para o decisivo referendo de 16 de abril.