Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

"O Benfica com Rui Vitória tem apostado mais na formação e saíram vários jogadores daí nos últimos dois anos com ele. Talvez, se tivesse ficado mais um ano e se tivesse sido treinado por Rui Vitória, teria conseguido as minhas oportunidades e chegaria à equipa principal do Benfica", começou por dizer, justificando a sua saída: "Não fiz a pré-época na minha posição e não contava para as contas do treinador".

"São dois treinadores [Rui Vitória e Jorge Jesus] diferentes. Não sinto mágoa e não me sinto mal com Jorge Jesus. É verdade que me sinto triste por nunca ter representado o Benfica como queria e como sempre sonhei, porque joguei 12 anos lá", confessou.

Por outro lado, Bernardo Silva elogiou o seu atual treinador Leonardo Jardim, afirmando que está "entre os melhores treinadores portugueses", mostrando-se grato "pela oportunidade dada em jogar ao mais alto nível".

O antigo jogador da formação dos ‘encarnados’ abordou a luta pelo título nacional entre Benfica e FC Porto e do ‘clássico’ da próxima jornada entre ambos.

"Não sei se será decisivo. Quando os dois da frente se defrontam a oito jornadas do fim é, sem dúvida, um muito importante para o desfecho do campeonato. O Benfica estando em primeiro e se ganhar dá um passo muito grande para a conquista do título. Se o FC Porto ganhar também dá [um passo grande], até porque o Benfica depois tem que ir a Alvalade num jogo que é sempre difícil", argumentou.

O internacional português explicou ainda que nesta fase da época "os campeonatos decidem-se nos pequenos detalhes, como a falta de concentração", frisando também que "os jogos fora são quase decisivos".

Boa época do Mónaco deve-se ao esforço da direção

"Acho que se explica pelo facto de o presidente e de toda a direção ter feito um esforço para não vender nenhum jogador. A verdade é que o Mónaco este ano se reforçou muito bem, os [jogadores] emprestados voltaram, como o Germain e o Falcão, que são muito importantes para a equipa", contou, prosseguindo: "Alguns jovens também estão a aparecer numa altura decisiva, como o Mbappé, que tem feito uma época fantástica".

À margem de um evento de marca desportivo, Bernardo Silva explicou que ao estarem a disputar todas as competições a pressão acaba por ser benévola e que faz parte das equipas que jogam a um grande nível.

"A pressão sempre a tivemos, pois estamos na frente do campeonato, continuamos na ‘Champions League’, na Taça de França e estamos na final da Taça de Liga. A pressão sobe um bocadinho, mas quando jogamos a este nível temos que estar habituados. A pressão é uma coisa boa e obriga-nos a ser melhor dia após dia", disse.

Para o internacional português, depois de os monegascos terem alcançado os quartos de final da Liga dos Campeões ao eliminarem os ingleses do Manchester City, a final da competição "é um sonho", reconhecendo que "não será tarefa fácil e que apenas irão pensar primeiro no Borussia Dortmund".

A terminar, o médio português, que esta temporada soma nove golos ao serviço dos franceses, disse que não pensa em sair do clube, mas admite vontade em jogar em outras ligas europeias.

"A verdade é que me sinto muito bem no Mónaco, quero acabar a temporada ao mais alto nível e a ganhar títulos. Um dia não se sabe o que pode acontecer e todos os jogadores sonham jogar nas grandes ligas, como a de Inglaterra e Espanha. Neste momento, não há nada em concreto e no final da época ligarei ao meu empresário", concluiu.