Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O recurso foi apresentado no tribunal federal de Greenbelt, em Maryland, segundo um documento do tribunal.

O juiz Theodore Chuang suspendeu quinta-feira o decreto, para impedir a suspensão de vistos para seis países muçulmanos.

Segundo o juiz, o novo decreto foi a “concretização, prevista há muito tempo, da proibição de entrada (nos Estados Unidos) de muçulmanos”.

Um outro juiz federal, do Havai, também suspendeu quarta-feira o decreto, que deveria ter entrado em vigor na quinta-feira.

“O decreto foi emitido com o objetivo de prejudicar uma religião em particular”, considerou o juiz Derrick Watson.

Os dois juízes indicaram também que basearam a sua decisão em declarações feitas por Donald Trump e os seus conselheiros.

Donald Trump propôs, durante a campanha eleitoral, encerrar as fronteiras dos Estados Unidos a todos os muçulmanos.