Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O juiz Theodore D. Chuang vetou o decreto porque prevê a “implementação de uma proibição há muito aguardada sobre os muçulmanos” e justificou a sua decisão com comentários feitos por Donald Trump durante a campanha eleitoral.

A decisão de Maryland junta-se à tomada pelo Havai e deixa sem efeito o novo decreto, que suspende a entrada no país de pessoas de seis países muçulmanos e de todos os refugiados.

Aquelas decisões são uma segunda derrota para o Governo de Donald Trump, que considerou já a decisão como “terrível”, acrescentando que é uma “extralimitação judicial sem precedentes”.

O novo decreto migratória de Donald Trump, depois de o primeiro ter sido chumbado, suspendia durante 120 dias o programa de acolhimento de refugiados e durante 90 dias a entrada de cidadãos provenientes do Irão, Somália, Sudão, Síria, Iémen e Líbia.