Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Apesar de os dois terminais de Orly terem aberto ao longo do dia, as companhias aéreas não tiveram pessoal suficiente para recuperar a normalidade que, segundo o responsável, só será restabelecida no domingo de manhã.

O terminal Sul, onde se registou o tiroteio que acabou com a morte do homem, foi o último a abrir de forma progressiva, depois das 14:00, uma hora após de se ter iniciado a atividade na zona Oeste.

Os dois terminais foram encerrados depois de, às 07:30, um homem atacar uma patrulha militar do dispositivo antiterrorista destacada para o aeroporto, sendo depois abatido.

Como medida de precaução as autoridades mandaram evacuar todo o aeroporto, o que levou à retirada de cerca de 3.000 pessoas e à suspensão de todo o tráfego aéreo em Orly.

Segundo a Aviação Civil, 30 voos que deviam aterrar em Orly foram desviados para o outro aeroporto de Paris, Charles de Gaulle, a norte da capital, enquanto um aterrou em Beauvais, a uma centena de quilómetros da cidade.

O homem que acabou abatido já estava referenciado pela polícia e pelos serviços de informação franceses. Segundo a imprensa, o homem chamava-se Ziyed Bem Belgacem e uma hora antes do caso no aeroporto disparou e feriu um agente numa operação policial a norte da capital.