Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Um dos aspectos chave na preparação de uma viagem é mitigar o risco de perder a ligação de um local para outro, apesar de ser uma gestão complexa. Por um lado ninguém quer perder as ligações, por outro queremos estar em trânsito o mínimo tempo possível. Hoje nessa gestão, e com o atraso a sair do Porto, fiquei sem a ligação de voo que precisava apanhar. Em Zurique em vez de ter mais uma viagem passei a ter duas. O que implicou não chegar domingo cedo, mas domingo tarde!

Mas ser empreendedor é viver em permanente jogo de compensações, por isso vamos lá ver os aspectos positivos e identificar as oportunidades resultantes de perder um avião:

- Pude tirar partido da paisagem da Suíça como vista do escritório de trabalho durante a tarde;

- Pude despachar emails que terei dificuldade em dar seguimento a partir da China;

- Pude ainda aproveitar o café gratuito em Munique no aeroporto;

Vários portugueses a caminho de Xangai, uns para feiras profissionais, outros para reuniões de negócios e alguns que já trabalham ou em empresas chinesas que operam em Portugal (financeiras) ou em empresas portuguesas com operação na China.

Viajar para a Suíça é aquele tipo de experiência que nos dá ou reforça contexto sobre a diáspora portuguesa. Na Ásia, por exemplo, é muito marcante a experiência de chegar ao outro lado do mundo e ver marcas portuguesas, ruas identificadas em português, uma marca cultural tão forte... o nosso orgulho luso rejubila e vem-me à cabeça: "Fomos muito grandes! Enormes!".

Macau é sempre "conversa" na China para justificar uma relação centenária entre países, porque isso tem verdadeiro valor e como é reforçado pelos políticos na relação Portugal-China há que utilizar esta ponte para reforçar os laços nos campos económico e financeiro - seria um erro não o fazer. Nesta minha viagem não vou a Macau, mas Macau estará sempre "debaixo da língua".

Esperemos que seja o único "Detour" de hoje!

Até breve.

Durante uma semana, Alexandre Pinto está a participar num programa para emprendedores promovido pela Cheung Kong Graduate School of Business. A viagem, o programa e a experiência vão ser relatados aqui no SAPO24 dia a dia.

Leia também:

Sete dias na China a aprender a fazer negócios

#Diário na China: Não é "só" comprar o bilhete de avião