Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

A história já aqui a contámos. Na passada sexta-feira, 10 de março, os filhos do professor britânico de Ciência Política e Diplomacia da Coreia do Sul roubaram a atenção da análise que o pai, Robert E. Kelly, estava a fazer em direto para a BBC, a propósito do afastamento da presidente sul-coreana, Park Geun-hye. Depois do sucesso, veio a polémica. Nas redes sociais instalou-se o debate sobre racismo, género e casais inter-raciais. Jung-a Kim, a mulher que entra no escritório não é a ama, mas sim a mulher do professor.

Agora, o professor voltou aos ecrãs da BBC News, esta terça-feira, mas desta vez acompanhado da família que teve agora oportunidade de apresentar: Jung-a Kim, a sua mulher e os filhos, ao colo, Marion, a quatro anos e James, de nove meses.

A entrevista, a que o jornalista da BBC chamou de "peça perfeita de comédia", foi vista mais de 160 milhões de vezes na conta do canal britânico no YouTube, segundo a AFP.

Num registo muito mais descontraído, Kelly diz que ficou surpreendido com as reações ao vídeo. Sobretudo com a quantidade de mensagens que lhes chegaram via redes sociais, telefone e e-mail. No entanto, o seu sucesso preocupou-os também. O professor temeu que o insólito estragasse a sua relação com a emissora e "que a BBC nunca mais nos telefonasse", acrescentou Kelly. A verdade é que, diz James Menendez, o jornalista da BBC, após o vídeo se tornar um fenómeno viral na Internet tornaram-se "na família mais famosa do Mundo".

Jung-a Kim estava na sala a gravar a entrevista. Dado o delay que há entre a chamada, via Skype, e a emissão na televisão, não percebeu logo o que se estava a passar, apesar de ter dado pela falta das crianças. Só quando apareceram na televisão é que se apercebeu de todo o cenário. "A culpa é minha que não tranquei a porta", argumenta o professor.

“Vi que ela entrou pela imagem do Skype”, conta Kelly. Tentou afastá-la da câmara, um gesto muito comentado, e teve esperança que se entretivesse com os brinquedos, já que aquele espaço é o seu escritório mas também o local onde a família guarda os brinquedos das crianças.

O jornalista da BBC comenta que a esposa do professor teve um papel de extrema importância no vídeo para depois perguntar se ficaram surpreendidos com o facto de as pessoas terem pensado que Jung-a era ama e não a sua mulher. O professor revela que isso os deixou "desconfortáveis" e, relativamente aos comentários que invadiram as redes sociais, espera que esse assunto termine rápido.

O professor disse ainda que a esposa merece um dia completo no spa por tudo o que fez naquele dia durante a entrevista, que teve tanto de caótica como de insólita. "A minha esposa merece uma medalha por cuidar de nós", acrescentou.

No final da conversa, o especialista em ciência política desfez todas as dúvidas do jornalista. Questionado sobre se estava a usar calças de pijama - ou se as usava sequer, como algumas pessoas lançara a suspeita nas redes sociais -  e essa ter sido a razão pela qual não se levantou da cadeira para ajudar a mulher, o professor esclareceu que estava vestido apropriadamente.

Antes disso, Kelly já tinha dado uma entrevista ao The Wall Street Journal. No vídeo, já sozinho no escritório, ouve-se a filha a gritar do outro lado da porta. "Esta é a minha vida!”, brinca o protagonista do vídeo concorrente já aos melhores do ano. Viral já o é.

Num comunicado hoje partilhado na sua conta da rede social Twitter, o professor espera que a sua família volte à normalidade nos próximos dias (ou semanas). Na nota, entre outros detalhes, Kelly esclarece que não, não foi tudo encenado.