• Smells like crónica adolescente
    Smells like crónica adolescente
    Esta semana tem-se assinalado o 50º aniversário do nascimento de Kurt Cobain. Contamos com o verbo no condicional, os 50 anos que Kurt “faria”. Os fãs deixam passar o condicional, ajuntam-se a assinalar meio século, mas no fundo sabemos que a contage
  • Clique Clique, Bang Bang
    Clique Clique, Bang Bang
    Duvido que se vá alguma vez tornar clássica a pergunta “Onde é que estavas a 19 de Dezembro de 2016?”, o que é pena, pois parcialmente saberia dar uma resposta. Não são assim tão claros os compromissos que tive nessa segunda-feira, mas é impossível e
  • Português desossado
    Português desossado
    O Acordo Ortográfico de 1990 é óptimo. Acreditem, é mesmo. É das coisas mais excitantes que aconteceram à Língua Portuguesa, não tenho a menor dúvida. É óptimo, de tão flagrante ser a sua inconsistência. É a semente chocha de vigorosos revoltados: no
  • Sem spoilers nem apostasias
    Sem spoilers nem apostasias
    Scorsese não é um Dreyer. Andrew Garfield não é um falante de português. “Silêncio” não é um Livro de Job. Portugal não é uma cidade pequena. Então porque é que eu continuo de orelhas levantadas?
  • Ad nauseam ad Nazium
    Ad nauseam ad Nazium
    Até há uns 7, 8 anos, a minha maior decepção com Donald Trump correspondia ao episódio 10 da 8ª temporada do seu concurso The Apprentice, quando o milionário me pareceu pouco interventivo, e permitiu que a jogadora de poker Annie Duke derrotasse o mú
  • Pop-pourri
    Pop-pourri
    Nunca mais é Dezembro, esse longínquo e maravilhoso mês quando a sigla TSU já andar esquecida e não estiver a concurso para palavra do ano. Nem tampouco singrarão “caranguejola” ou “traquitana” (estou a avançar palavras possíveis para designar esta i
  • Festival para gente zangada
    Festival para gente zangada
    Este relato é tão absurdo quanto real. De sábado para domingo, no espaço de 15 segundos, passei de estar sossegado – calado, mãos nos bolsos, olhos no céu - para estar a iniciar um comboio humano que não se coibiu de berrar a clássica “Mamãe eu quer
  • 10 de rajada
    10 de rajada
    O que me proponho de seguida é enumerar 10 personalidades (vivas!) de 2016. Algumas são as mais importantes, outras são as mais importantes no instante em que escrevo; de algumas gosto, outras odeio, outras avizinham-se indiferentes. E para atestar q
  • E ainda só vamos no fim
    E ainda só vamos no fim
    2016 não é para balanços, foi de abalos. Até aceito que exista alguma coisa birrenta e infantil que nos faça dizer todos os anos “este foi mau, nunca mais acaba”, mas parece-me que em 2016 afirmamo-lo com intenção. Este ano foi mau. Nunca mais acaba.
  • Sapatinho cheio
    Sapatinho cheio
    Escrever uma carta ao Pai Natal não me pareceu tarefa assim tão complicada quando mo propuseram. Só que, ao aceitar o repto, estava a ignorar um par de desafios - e não, nenhum desses é escrever a alguém em quem não acredito. Aliás, o meu historial d
  • Marlon brando, eu irritado
    Marlon brando, eu irritado
    Bernardo Bertolucci já me está a irritar e ainda só escrevi o nome dele. Pela lógica só teria um “L” antes dos dois “C” no apelido, mas obrigou-me a ir confirmar, não fosse ele arrogar-se os dois “L” de melhores cineastas italianos como Fellini ou Ro
  • Conjunções Adversativas
    Conjunções Adversativas
    Não fazia ideia, mas pelos vistos sou um patriota. Estava distraído, mas parece que sou. Afinal gosto de viver por cá, e não só nesse Portugal lindo que anda a empanturrar-se de turistas, ou a mascarar-se de paraíso em listas do Buzzfeed. Não, essa b
  • Trompe le monde
    Trompe le monde
    Para as pessoas da minha geração, o Alec Baldwin pode muito bem significar aquele tipo que, no final dos anos 80/início dos 90, era tão bem parecido e sucedido que até conquistou a Kim Basinger. Ou então recordamo-lo como o mais velho de 4 irmãos act
  • Os Diamantes São Eternos
    Os Diamantes São Eternos
    É verdade que ele tinha mais de Dustin Hoffman que de Sean Connery, mas durante muito tempo olhei para o Leonard Cohen como uma espécie de James Bond. O espião e o trovador sempre abotoados nas casas certas, sedutores, infalíveis e predestinados a sa
  • Depois digam-me quanto é que ficou
    Depois digam-me quanto é que ficou
    Começo o texto recordando-vos duma coisa óbvia: eu estou no Passado. Qualquer pessoa que escreve é uma voz do Passado em relação a quem a lê.  Repito, tenho consciência de que isto é óbvio, mas ainda assim a chamada de atenção torna-se pertinente con
  • Who you gonna call?
    Who you gonna call?
    Confesso que o único Halloween português que aprecio é um rapper com esse nome, não a festividade. Por isso, se me apanharem a elogiar o Halloween de Odivelas não será como quem fala do Carnaval de Peniche ou das Cavalhadas de Vildemoinhos, mas sim d
  • Iguais a nós próprios
    Iguais a nós próprios
    Tenho seguido com pouca atenção o caso Pedro Dias. Tão pouca que o único comentário que repito na minha cabeça se prende com aquelas duas fotografias recorrentes do fugitivo: parecem-me inequivocamente a mesma pessoa. Arrisca-se a ser o comentário ma
  • Bob, o construtor (de Literatura)
    Bob, o construtor (de Literatura)
    Se houvesse um comité aleatório constituído por pessoas com quem me tenho relacionado de alguma forma, seja a minha mãe, o estafeta com a encomenda de cordas de guitarra ou o mecânico onde deixei o carro há 3 semanas, estou certo que por unanimidade
  • In Trump We Trust!
    In Trump We Trust!
    Há coisas com graça que se escondem debaixo dos nossos narizes, outras debaixo das nossas línguas. Até hoje, por exemplo, nunca tinha considerado esta piada global: uma das poucas frases em alemão que muita gente sabe reproduzir é dita no mais cerrad
  • Arrisca-se a ser recordado
    Arrisca-se a ser recordado
    Estou a prender o olhar na barra de espaços do meu computador e a fazer contas (nessa matemática ilógica e inconsequente que nunca me deixou em vias de chumbar) à quantidade de vezes que devo premi-la para redigir um bom silêncio. Trago uma história
  • Mês zero
    Mês zero
    Se o caro leitor gosta de provas escaldantes provenientes de sites alojados em moradas manhosas (mais ilegítimas que os bastardos de Juan Carlos de Borbón), este cronista não é adequado para si, mas estende-lhe a mão. Se sabe tudo acerca das vigas m
  • Impaciente crónico
    Impaciente crónico
    Acabo de me aperceber que tenho menos opiniões sobre o mundo do que impaciências. No fundo eu quero é que o mundo se despache, e os meus constantes momentos de silêncio são sobretudo os de uma pessoa que está à espera (por muito que as sobrancelhas i

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.