• A impunidade do Estado
    A impunidade do Estado
    Se não fosse triste e lamentável, podia ser de rir, ou uma notícia do "Inimigo Público": uma instituição do Estado, o Tribunal de Contas, num relatório sobre a execução orçamental da Administração Central, crítica o Estado a que pertence por exigir a
  • Na tua multidão ou na minha?
    Na tua multidão ou na minha?
    Esta semana começa o campeonato de futebol. Mas, mesmo que o que se segue lhe pareça vagamente familiar com o pior do futebol, não tem nada a ver. Até porque para os verdadeiros fãs, o futebol é o melhor pretexto para se ser um selvagem, mas sempre c
  • Demagogia é…
    Demagogia é…
    Quando era adolescente, havia nos jornais (e nos pacotes de açúcar?) uns casais de bonecos com um ar vagamente pateta que acompanhavam frases - igualmente tolas, na maioria dos casos - sob o genérico "Amor é…".
  • Portugal tem mesmo de continuar a ser assim?
    Portugal tem mesmo de continuar a ser assim?
    A prevenção e combate aos fogos florestais é um assunto que precisa de todos os ingredientes em que, por regra, somos medíocres: estudo e planeamento, acção coordenada e colaboração entre várias "capelinhas", estabilidade de políticas, avaliação e ev
  • O espetáculo é fabuloso e é para todos
    O espetáculo é fabuloso e é para todos
    Esta é uma história de encantamentos e magia contagiante. Irromperam nas colunas de som as primeiras notas de "Aquele abraço", o hino à liberdade composto por Gilberto Gil, em 1969, em plena ditadura, o relvado do Maracanã foi transformado num imenso
  • Separados à nascença
    Separados à nascença
    Amanhã é mais um dia decisivo na longa caminhada de António Guterres para o lugar de Secretário-geral das Nações Unidas: o Conselho de Segurança manifesta-se, pela segunda vez, sobre os 12 candidatos para o cargo. Guterres leva vantagem porque venceu
  • O jornalismo nestes tempos de guerra diferente
    O jornalismo nestes tempos de guerra diferente
    Uma vaga de suicídios correu a Europa em finais do século XVIII. Estima-se que terão sido uns 2800 apaixonados com amores não correspondidos que se inspiraram na dor e desespero final do jovem Werther, de Goethe. Publicado inicialmente em 1774, o rom
  • Amado vai ter de aprender mandarim
    Amado vai ter de aprender mandarim
    E se, nos próximos três anos, a União Europeia entrar em recessão profunda, os juros subirem de forma significativa e as matérias-primas caírem para níveis historicamente baixos, o que sucede ao balanço do Millennium bcp? Segundo os resultados dos te
  • Agora tu és um cavalo de corrida
    Agora tu és um cavalo de corrida
    O que fica a saber do mundo, sobretudo em momentos de grande tensão, um leitor que lê informação nos sites e nas redes sociais? No conforto preguiçoso do seu sofá, ou no espaço higienizado do seu escritório, que informação é dada naquele fuso que se
  • Uma brincadeira séria
    Uma brincadeira séria
    Subitamente, num Verão manchado pelo sangue e pelo terror, um jogo veio abanar as vidas de milhões de pessoas e, ainda que por minutos, deixá-las fora da loucura que nos rodeia e entrar numa bastante mais pacata aventura: apanhar, com um telemóvel, b
  • Um relatório que não serve para (quase) nada
    Um relatório que não serve para (quase) nada
    O relatório da comissão de inquérito ao Banif, leia-se o projeto assinado pelo deputado socialista Eurico Brilhante Dias, faz um esforço de cronologia de uma falência anunciada e que deveria ter sido definida logo em 2012, de forma organizada, pelo a
  • Somos só pessoas estupidamente normais
    Somos só pessoas estupidamente normais
    Há semanas em que todos aqueles que escrevem sobre o que se passa no mundo não evitam o que, em regra, tentam evitar. Ou seja, escrever sobre as mesmas coisas que outros já escreveram. Quem publica à sexta-feira, depois de uma semana intensa de acont
  • Um circo romano nos EUA
    Um circo romano nos EUA
    Às vezes pergunto-me: que mais pode a candidatura de Donald Trump fazer, a começar no próprio candidato, para demonstrar que não quer governar um país, mas quer montar um circo romano em Washington? A esta pergunta, espanto dos espantos, responde o "
  • É isto o novo normal? E vamos habituar-nos a ele?
    É isto o novo normal? E vamos habituar-nos a ele?
    Terrorismo, derrocada da banca, extremismos. O pior caminho que podemos trilhar é o de olhar para isto tudo como uma nova normalidade, encontrando um outro equilíbrio e o conforto possível. Porque daí não virão nunca respostas, nem soluções, nem muda
  • Nem nos deixam tempo para pensar
    Nem nos deixam tempo para pensar
    Será que poderemos contrariar a perda do sentido do tempo? Cada dia há um qualquer acontecimento que remove e monopoliza o foco que incidia sobre o que tinha acontecido 24 horas antes, sem termos tido tempo para, em volta do caso anterior, tentar enc
  • Uma vergonha
    Uma vergonha
    O que se está a passar com a Caixa Geral de Depósitos é escandaloso e deveria fazer corar de vergonha o ministro das Finanças, Mário Centeno: o maior banco do país está parado há pelo menos seis meses e, pior, numa situação de incerteza total em rela

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.