Como eu, houve naturalmente que se indignasse muito mais e muito melhor. A indignação por causas humanitárias é das que pode proporcionar melhores momentos de verve, que também é necessária, para despertar consciências, para tocar sensibilidades, mas, à noite, ouço o resumo dos "corpos" do dia e assomam-me perguntas como bofetadas, que, assim, doem.

Consigo pensar em tudo o que apontei a outros não terem feito, mas não tenho resposta ao perguntar-me uma, uma coisa que eu tenha feito, a não ser criticar quem nada fez. Choca-me que se ergam muros, mas não estou à porta das embaixadas dos países que o fazem, a protestar. Lugar comum? Talvez, pode ter muitos nomes - hipocrisia, falso moralismo. Com Timor chamou-se Liberdade. Saí de casa. Estive lá. Não sei se fiz a diferença mas estive, protestei, ajudei, acolhi, alimentei.

Eu não quero um dia não estar numa praia portuguesa quando a culpa vier cá morrer.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.