Do total, seis integram a lista a título individual, por razões que se devem a problemas de segurança das próprias transportadoras aéreas, como a Avior Alirlines, da Venezuela, e as outras 109 — certificadas em 15 países — por controlo insuficiente pelas respetivas autoridades nacionais.

A lista inclui sete companhias aéreas de Angola, sendo que apenas a TAAG e a Heli Malongo estão excluídas da lista, todas as de São Tomé e Príncipe e também todas as registadas na Guiné Equatorial.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.