O ministro falava aos jornalistas junto ao local do acidente, acompanhado do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e de responsáveis da IP.

Segundo Pedro Nuno Santos, o relatório já elaborado pelo Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários (GPIAAF) “é apenas a constatação e confirmação dos factos, mas falta muita informação, para apurar todas as causas, fazer recomendações e perceber se recomendações feitas a no passado em situações similares foram ou não seguidas”.

O ministro pediu ainda “cuidado com qualquer especulação que se possa fazer”.

“Porque o risco de erramos é grande, mas a IP quer ter oportunidade de dizer de sua justiça”, afirmou o ministro.

O descarrilamento do Alfa Pendular, no concelho de Soure, distrito de Coimbra, com 212 passageiros, provocou na sexta-feira dois mortos e 44 feridos, oito dos quais graves.

Segundo nota informativa do GPIAAF, a que a agência Lusa teve acesso, um Veículo de Conservação de Catenária, no qual seguiam duas pessoas — as duas vítimas mortais –, passou um sinal vermelho e entrou na Linha do Norte, tendo sido abalroado pelo comboio Alfa Pendular.

O comboio seguia no sentido sul – norte com destino a Braga e o descarrilamento ocorreu após o embate entre o Alfa Pendular e uma máquina de trabalho, perto da vila de Soure, junto à localidade de Matas.

A circulação na linha ferroviária do Norte permanece encerrada por causa dos trabalhos consequentes ao acidente.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.