"O grande objetivo do Partido Popular para o ato eleitoral de domingo é crescer. O Partido Popular vai crescer, vai ter mais autarcas eleitos do que teve em 2017 e vai ser a grande surpresa dessa noite eleitoral", afirmou.

Francisco Rodrigues dos Santos falava durante o comício de encerramento da campanha para as eleições autárquicas de domingo, que decorreu em Oliveira do Hospital, no distrito de Coimbra, onde é candidato à Assembleia Municipal pela coligação PSD/CDS-PP.

E apontou que "é altura de o Partido Popular se afirmar como uma componente fundamental da alternativa política​​​​​​​ que se começa a construir de baixo para cima, que vai do poder local até ao poder nacional, que aumenta a sua representação em cada terra, que afirma um projeto alternativo ao socialismo, que representa a direita certa que Portugal precisa para ter liberdade".

"Estas eleições autárquicas serão um marco no crescimento do CDS e na sua malha de autarcas por todo o país, que será certamente superior a 2017, vamos crescer, virar o país à direita e, juntamente com o PSD em muitas e muitas câmaras, vamos derrubar o socialismo que nos governa, a começar em Oliveira do Hospital, onde o centro-direita vai governar novamente", salientou, pedindo aos eleitores para não terem medo de votar na coligação.

Na sua intervenção, de cerca de meia hora, o líder do CDS-PP apelou também aos portugueses para que "castiguem o PS nestas eleições e reforcem o poder do centro-direita em cada terra de Portugal".

"E que possamos juntos ir embalados a partir destas eleições autárquicas para derrotar o PS a nível nacional e dar uma governação de centro-direita [nas legislativas em 2023] que liberte o país dos vícios, da dívida, dos impostos, da estatização a que o PS condenou o nosso país", salientou.

Francisco Rodrigues dos Santos criticou a governação do primeiro-ministro, António Costa, e defendeu que “é preciso acabar com esta ditadura fiscal, baixar impostos em Portugal”, considerando que o Governo faz “um assalto” ao “bolso dos portugueses através de impostos”.

E acrescentou que o PS “empobrece o país, cria dependências do Estado, vai controlando as pessoas e depois nota-se o que acontece em Oliveira do Hospital, as pessoas têm medo de mudar”.

“Mas aqui não vamos ter medo, vamos mesmo mudar no dia 26, vamos mudar de vida. E vamos mudar de Governo socialista no concelho e contribuir para uma mudança de Governo também a nível nacional”, salientou.

Perante a população de Oliveira do Hospital, Francisco Rodrigues dos Santos prometeu "dedicação total" ao concelho e disse que vai usar o seu "mediatismo e protagonismo político a nível nacional para reclamar soluções" para o concelho.

Num balanço da campanha, o presidente do CDS-PP afirmou que "nestes últimos 30 dias" (uma vez que foi 'para a estrada' no final de agosto), esteve em "71 concelhos".

O comício, que decorreu junto a uma rotunda e a umas bombas de combustível, reuniu cerca de uma centena de pessoas com bandeiras do PSD e do CDS-PP e até uma da coligação "Portugal à Frente", que juntou PSD/CDS na corrida às eleições legislativas de 2015.

Na reta final do discurso, Francisco Rodrigues dos Santos agradeceu aos jornalistas que acompanharam a sua 'volta' nacional.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.