O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) esclareceu que a petrolífera estatal Petrobras analisou os derramamentos espalhados por oito estados e determinou que têm origem numa única fonte. Contudo, frisou que a substância em causa, petróleo bruto, não é produzida no país sul-americano.

O Ibama, órgão tutelado pelo Ministério do Meio Ambiente, não descreveu o tamanho dos derramamentos, que afetaram 46 municípios de oito estados, incluindo vários destinos turísticos.

Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Piauí e Sergipe são os estados afetados.

Dos nove estados do nordeste brasileiro, apenas a Bahia ainda não registou a presença de manchas no seu litoral.

O instituto referiu que está a investigar “as causas e responsabilidades dos derramamentos” com o assessor da Petrobras e o corpo de bombeiros da capital do país, Brasília.

“Até ao momento não há evidências de contaminação de peixes e crustáceos”, garantiu o Ibama, referindo que a substância já matou sete tartarugas marinhas.

Banhistas e pescadores foram aconselhados a evitar as áreas onde o petróleo bruto foi encontrado.

Está previsto que cerca de 100 trabalhadores da Petrobras participem nos esforços de limpeza das áreas afetadas.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.