Em declarações à agência Lusa, após o lançamento oficial do programa “Máscaras Gratuitas em Transportes Públicos”, que ocorreu hoje de manhã, na estação de comboios de Carcavelos, Carlos Carreiras (PSD) disse que o município tem nesta altura capacidade de fazer chegar máscaras à população.

Esta é, segundo o autarca, mais uma das muitas medidas que a autarquia do distrito de Lisboa tem vindo a implementar para fazer face aos efeitos da covid-19, que inicialmente tinha um investimento de cinco milhões de euros, mas que atualmente já ultrapassa os 10 milhões de euros.

“A câmara ter uma situação económica e financeira robusta foi o que permitiu fazer face a uma necessidade de emergência (…). Numa primeira fase, constituiu-se um fundo de emergência na ordem dos cinco milhões de euros. Neste momento, estará próximo dos 10 milhões e perspetivamos que, com todos os programas que estamos a implementar em Cascais e que são onerosos, até ao final do ano podemos estar com um investimento na ordem dos 20 milhões de euros”, disse.

Além da distribuição das máscaras gratuitas aos utentes dos transportes públicos em todas as estações e principais interfaces rodoviários do concelho, enquanto o seu uso for obrigatório, a autarquia decidiu também instalar 400 máquinas de venda automática com este material de proteção.

“Fizemos umas primeiras encomendas que nos trouxeram uma quantidade razoável de máscaras, cerca de três milhões, e estamos neste momento com capacidade de produção própria de cinco milhões de máscaras por mês. Isto deixa-nos com alguma capacidade para podermos abastecer a população, que são mais de 200 mil habitantes”, disse.

Cascais antecipou a encomenda de grandes volumes de EPI (equipamentos de proteção individual), ao mesmo tempo que adquiriu máquinas de produção de máscaras que garantiram, segundo Carlos Carreiras, uma produção de cinco milhões de unidades por mês.

“Logo no início disponibilizámos máscaras a um valor mais baixo do que aquele que estava a ser praticado pelo mercado, que eram preços especulativos. Estivemos a disponibilizar máscaras a 70 cêntimos enquanto estivemos a viver o estado de emergência, de forma a que os cidadãos de Cascais tivessem, pelo menos, em cada agregado um familiar que pudesse sair de casa e em segurança”, disse.

Quando o país saiu do estado de emergência, indicou Carlos Carreiras, as máscaras disponibilizadas tinham um custo de 25 cêntimos.

“Além disso, vamos instalar 400 dispensadores de máscaras, máquinas de ‘vending’ que estarão espalhadas por todo o território do município e teremos a acompanhar todo o voluntariado jovem”, disse.

O autarca lembrou que Cascais tem por norma campanhas de voluntariado com cerca de dois mil jovens.

“Este ano, todos os programas não serão implementados, mas estão a ser canalizados para questões que se prendem com a situação que estamos a viver. Neste momento, temos 150 jovens que estão a fazer distribuição gratuita de máscaras no concelho”, disse.

De acordo com Carlos Carreiras, estas equipas estão também nos terminais ferroviários e rodoviários e nas principais paragens a distribuir máscaras.

Desde segunda-feira, os transportes públicos começaram a ter de circular com lotação máxima de dois terços da sua capacidade e os utentes têm de usar obrigatoriamente máscaras ou viseiras, devido à pandemia da covid-19, prevendo-se coimas entre 120 e 350 euros.

“Além disso, disponibilizamos desde o início a linha +65, com os voluntários a levar máscaras de forma gratuita a casa dos mais velhos e dos que estão em fragilidade económica e social”, acrescentou Carlos Carreiras.

Portugal regista hoje 1.105 mortes relacionadas com a covid-19, mais 16 do que na quarta-feira, e 26.715 infetados (mais 533), segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Portugal entrou domingo em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.