Conta o The New York Times que um homem entre os 50 e os 60 anos, não identificado pelas autoridades, sobreviveu a ataques do urso durante várias noites consecutivas. Já com privação de sono, quase sem munições, sem forma de comunicar com alguém e com algumas lesões, chegou o ansiado resgate.

Um helicóptero da Guarda Costeira do Alasca passava para uma missão e viu os claros sinais de socorro: a vítima erguia os dois braços no ar — "geralmente é um sinal de perigo" — e havia escrito duas mensagens no telhado de zinco da cabana, que já tinha a porta arrancada: "ajudem-me" e "SOS".

A tripulação socorreu a vítima, que contava com hematomas no corpo e uma perna lesionada, mas sem correr risco de vida. De acordo com as autoridades, o homem terá sido arrastado pelo urso até ao rio. Jared Carbajal, um dos pilotos do helicóptero da Guarda Costeira, disse em entrevista na quarta-feira que "o urso voltava todas as noites e que [o homem] não dormia há alguns dias". Não é comum que uma pessoa tenha vários encontros com o mesmo animal.

Não ficou claro como o homem chegou ao acampamento remoto, que não tem telefone e fica numa área de drenagem de um rio. A zona é conhecida por ser habitat de ursos pardos.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.