"Há um processo interno certamente, um processo de maior democratização e eu creio que este momento histórico - que não deixa de ser um momento histórico - também é um momento que já coincide com uma abertura do regime cubano e será certamente um ensejo para que a normalização das relações com o resto de mundo se possa dar, a partir de agora, de forma, até porventura, mais acelerada", respondeu Assunção Cristas, em Lisboa, aos jornalistas quando questionada sobre a morte do antigo presidente cubano Fidel Castro.

Para a líder centrista, "o mais importante para sinalizar é o que significa de abertura de Cuba ao resto do mundo, de normalização das relações internacionais de Cuba".

Questionada concretamente sobre a figura de Fidel Castro, Cristas escusou-se a fazer qualquer comentário uma vez que, na sua opinião, "é mais interessante olhar para o sinal político".

"E [olhar] para a forma como este momento também é em definitivo - assim se espera - o encerrar de um ciclo e que as transformações que já se têm vindo a notar possam ter mais rapidez, possam normalizar rapidamente a nível internacional", realçou.

Na opinião da presidente do CDS-PP, o ponto mais importante a realçar, para os centristas, é "a forma como Cuba se relaciona com o resto do mundo".

O histórico líder cubano, Fidel Castro, morreu na noite de sexta-feira, 25 de novembro, aos 90 anos, às 22:29 locais (03:29 de sábado em Portugal continental) e já foram várias as reações e condolências apresentadas por diversos líderes políticos mundiais.

Cuba decretou nove dias de luto nacional e anunciou que o funeral vai realizar-se a 04 de dezembro .

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.