"Chegámos à conclusão de que o melhor caminho a seguir é a mediação e fizemos um requerimento ao Governo que foi aceite e há possibilidade de nos reunirmos já amanhã [sexta-feira]", explicou Francisco São Bento, depois de ter conversado cerca de 10 minutos com os grevistas que se juntaram na Companhia Logística de Combustíveis, em Aveiras de Cima, Lisboa, e que concordaram com a decisão do sindicato.

O sindicalista explicou que haverá reuniões bipartidas, prevendo-se que, numa primeira fase, pelo menos, os sindicatos não se sentem à mesma mesa que a Antram.

"Estaremos presentes com o Governo como a Antram também estará, mas nada impede que, se houver um bom clima, não possamos sentarmo-nos na mesma mesa de negociações", acrescentou o presidente do sindicato.

"Agora está tudo em aberto. Quando estamos numa mesa de negociações, possivelmente terá de haver cedências de parte a parte. Se fizermos cedências, levaremos a informação aos nossos associados e se forem aprovadas por eles assinaremos o acordo", frisou.

Francisco São Bento apelou também à calma dos motoristas e disse que estes iam respeitar as decisões do Governo e cumprir os serviços mínimos.

Questionado sobre a possibilidade de suspensão da greve durante o período de negociações, o sindicalista afirmou que a paralisação dos motoristas "vai manter-se nos mesmos pressupostos das oito horas diárias e, se tiver de durar mais três, quatro ou cinco dias, assim será.

Contudo, o sindicalista ressalvou que, "dada a extrema gravidade da situação e a urgência, não deverá demorar muito tempo para as negociações começarem".

"Vamos manter a esperança de que nos próximos dias possamos iniciar o diálogo e chegar à resolução que todos esperam".

O dirigente do sindicato pediu também ao Governo que descarte a requisição civil, dizendo que os motoristas estão a "acatar todas as ordens e a cumprir os serviços mínimos e as oito horas diárias" de trabalho.

"Neste momento, não faz sentido nenhum a existência de uma requisição civil, uma vez que os trabalhadores estão a cumprir o que lhes foi requerido. Não tem nenhum efeito e até apelava ao Governo para que ponderasse e a levantasse", afirmou.

O SNMMP pediu esta tarde a mediação do Governo para chegar a um entendimento que permita terminar a greve, anunciou o presidente da estrutura sindical, Francisco São Bento.

O Governo já disse que vai nomear um mediador para tentar terminar o conflito entre a Antram e o SNMMP.

A greve que começou na segunda-feira, por tempo indeterminado, foi convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.